Pesquisar este blog

quinta-feira, julho 31, 2008



Psiquiatra...

Mais uma vez a pena digital nos leva de déu em déu a fazermos uma narração destas que, muitas das vezes consideramos mitos ou mera falácia do povo inocente, afinal as línguas vociferam o que a mais das vezes esta repleto o coração, sabe lá porque motivo, mas por vezes dizemos e fazemos coisas estranhas, de minha parte apena gosto de boas historias,apimentadas historias, terríveis historias, pouco me interessando sobre seus finais bons ou maus, a riqueza de alguma coisa, esta em sua manifestação plena e só,o rotulo ou a ausência dele é por conta do cliente haha, se é inteligente ou não!
Serguei era um cara muito tranqüilo mediante algum esforço pouco é verdade, atingiu alguma notoriedade em sua cidadezinha como profissional e religioso, quando jovem não era daqueles filhos prodígios, era destas crianças simples e comuns como eu e você,não havia super dote, na adolescência sem grandes modificações a não ser uma certa linha dura que seus pais assim o mantinham, sobreviveu, atingindo a faculdade e escolhendo como foco a saúde mental, escolheu esta, por total falta de afinidade com qualquer outra assim foi conduzido lentamente ao mundo das insanidades/sanidades e talvez por identificar-se passou a gostar com tranqüilidade.
Na mesma faculdade ele conheceu Vanessa que de simples colega a amiga, e de amiga a namorada, sim, tudo para parecia um script perfeito e regido por mãos invisíveis, cabe lembrar que Serguei nunca conheceu pobreza ,sua família tinha algumas condições e tudo transcorreu sem problemas. Vanessa viria a ser a mulher da sua vida, casou-se com ela e vida transcorreu em passadas tranqüilas e serenas.
Cabe colocar que, o ser humano não fica satisfeito com passadas tranqüilas e serenas ,a grande maioria de nós gosta e idolatrar as complicações, se tudo esta em paz demais pode ter certeza que as pessoas arrumam uma maneira de modificar tal enfadonho quadro de forma a torna-lo mais atrativo, não seria diferente com Serguei e sua esposa de mesma profissão,dois psiquiatras em casa, você deve estar brincando? Uma DR destes dois tipos deve ser uma longa aula de comportamento e analise humano, ou com se pode esperar quando tudo torna-se comum, eles caem no humano, demasiadamente humano! Isso não tem importância alguma.
Serguei então um homem bonito e charmoso tinha a faca e o queijo nas mãos, e justamente neste momento tão enfadonho da sua vida, uma linda paciente morena, de altura mediana faz-lhe saltar o muro da ética profissional, sim neste momento o profissional perdeu para homem! Ou ganhou no caso.Serguei lhe disse alguns elogios, que foram suficientes para uma breve sedução que o clima já sugeria,falou do seu vestido vermelho lindo e decotado, de quanto seus olhos claros lembram coisas agradáveis e essas coisas imbecis que homem diz quando quer comer alguém, dependendo do alguém, usamos cantadas baratas demais repletas de aroma de sêmen, mas na posição de Serguei, isso se tornava mais fácil, porque as pessoas já estavam naturalmente fragilizadas e neste ínterim de emoções e tesões acabam andando próximos demais.
Assim Serguei passou o complicar sua vida, com isso, o casamento passou a perder algumas cores,já havia monotonia e de alguma foram ele sentia-se inferiorizado em relação a sua bela esposa que era inteligente e objetiva( eu entendo Serguei, quando se tem um desfile de vaginas psicopatológicas é normal que o cérebro vire fumaça...)tudo mudou.
Depois tiveram outras e outras pacientes,habito tornou-se o vicio, a ponto de certa feita olhar-se no espelho e dizer que se parecia tanto com Dom Juan,uma ofensa ao lendário libertino que sempre fora sincero e jamais ludibriava a quem quer fosse.
Mas você acham que ele poderia complicar-se mais?
Claro que sim, até um dia que entrou em seu consultório (cabe lembrar que o seu casamento estava por um fio) a bela Cândida, embora o nome, não possuía tais atributos,ela estava em depressão profunda mas tinha uma inteligência acurada, o levando a questionamentos interessantes e fatais,o fazia pensar em coisas que jamais havia pensando, talvez por falta de inteligência no mercado de pacientes, literalmente Cândida dançava tango na mente de Serguei,isso acabou virando uma atração e da atração a paixão, mas Cândida tristonha e sedutora logicamente cederia aos seus volúveis desejos e aos de Serguei também, ele apaixonara-se pela inteligência dela, pelo que escrevia e pela sua sede sexual, ingredientes perfeitos que levam todos a insanidade, cabe colocar que insanidade é transmissível, conviva com loucos muito tempo e perceberás isso, Serguei fez propostas ate de casamento e outras tantas que em sua ilusão imaginava como verdade para sua Cândida, que se utilizava da paixão de Serguei para as receitas de medicamentos controlados que ela escolhia o que tomar, de acordo com seu estado de espírito(não é preciso dizer que medicamentos controlados misturados ao álcool e alguns a cafeína tornam-se poderosas anfetaminas...isto daria um bom texto sobre esportes radicais, quem sabe de outra feita...),e nos devaneios da paixão Serguei perdeu-se.
Isto chega a parecer bizarramente poético, de um lado a ilusão de um do outro a patologia estudada,expliquem-se tecnicamente como puderem, mas a vida nos premia com compensações repletas de estranhezas quando nos dispomos a tal, embora em mundos completamente diferentes, ambos estavam satisfeitos,um em um mundo repleto de ilusão vinculado a paixão que faz erguer membros e tira o chão, a outra embora com pouca sanidade, depressiva, que no fundo não passava de mera culpa repleta de autocomiseração,desfrutava de prazeres diversos,o alivio de seus desejos e o entorpecimento de sua alma, esta é uma daquele historias sem fim, possivelmente ainda muito destes se repitam, pois como já afirmei, raramente gostamos de do estado de paz serena, eu acho que estou ficando idoso, pois meu desejo maior agora é silencio,não quero processos desastrosos repletos de drama ou insanidade muito embora eu saíba que eles são naturais a vida.
Tenho certeza de Cândida e Serguei eventualmente ainda se tocam, nem que seja em sonhos...

Paz e luz em teu caminho.
Fabiano.

Verdades esparsas ...

“...gosto de me masturbar cheirando minhas axilas.O cheiro de suor me excita. Sexo seguro e perfumado. Principalmente quando estou com tesão de noite e Luisa anda por aí, ganhando uns pesos,fazendo a vida. Embora já não seja a mesma coisa .Com quarenta e cinco anos minha libído está se reduzindo. Tenho menos sêmen. Só um jorrinho uma vez por dia. Acho que entrei no climatério:menos desejo,menos sêmen, glândulas mais lentas.De toda forma, as mulheres continuando voejando ao meu redor. Acho que hoje tenho mais espírito.Haha, eu com mais espírito. Não vou dizer que estou mais perto de Deus .É uma bela frase,bem pedante: “Ah, estou mais perto de Deus”.Não.De jeito nenhum.Deus me dá sinais,ás vezes.E eu continuo tentando.Só isso.”

Pedro Juan Gutierrez - Trilogia Suja de Havana


Tudo já foi dito!

Alguém tem alguma duvida sobre isso?
Quando meu pensamento parte em direção ao farto campo das palavras e suas infindas combinações percebe-se friamente que não existe novidade alguma, mas nem por isso as coisas perdem o encanto, tudo foi dito, por outro lado, isto nos leva a um descanso pois podemos alçar vôos repletos de inspiração na ânsia de organizar a melhor combinação de forma a ficar um contexto harmônico e que consiga mais ou menos raspar a alma daquelas poucas pessoas que logram tal entendimento e refinamento.
Nem por isso o que é dito é belo, e não precisa ser, de minha parte não entendo de comunicação e a na verdade nem me interessa, mas posso afirmar com todas as letras, é possível dizer tudo e qualquer coisa a quem quer que seja, se você souber como contextualizar o que deseja expressar.
Normalmente ofensas tem um fito único que é literalmente de ofender, mas podemos dar uma conotação irônica e intelectual as ofensas e transformá-las em uma paródia para poucos entendidos, por vezes poucas expressões conseguem atingir seu objetivo em função de sua parca força, em verdade ninguém se escandaliza com mais nada,acabamos todos virando padres de confessionário, não é? O que te choca? Que colocações são aberrantes?Poderá existir coisa mais aberrante que a explicidade que os meios de comunicação que exploraram de maneira muito subliminar, chamando você de gordo, pobre, feio, fracassado, desatualizado e estúpido se não atinge alguns aspectos considerados premissas de sucesso?
Ou você acha que as novelas, filmes, propagandas querem dizer outra coisa?
Logicamente que é preciso contextualizar, pouco interessa a forma ou o porque, o que é importante é o que se objetiva mediante a visão superficial, que isso quer dizer? Esteticamente significa que se você não esta nos padrões concebidos como corretos isso corresponde a uma pessoa que não está “bem”, não interessa o motivo porque não esteja bem. Imaginemos o drama de uma dona de casa, casada mulher com tripla jornada de trabalho e ainda tendo o desafio de parecer com um modelo segundo o padrão exigido, você acha que essa mulher tem chance? Claro que não, ela caiu na armadilha, pois as musas inspiradoras das telas de tevê, também não perfeitas, são totalmente retocadas por milhares de processos, e você homem? Você acha mesmo que se não tiver o melhor carro (símbolo fálico...)dinheiro para gastar a la vontê, estarás em condições de corresponder ao sucesso esperado de ti e que apregoam o meios de comunicação que dizem dizer a “verdade”, você acredita mesmo nesta verdade?
Não caiam na armadilha, não existe teoria da conspiração é verdade, mas o que existe é muito mais cruel que isso, um sistema criado para te transformar em um cativo do sistema,onde tudo funciona, tudo é perfeitinho e sobretudo todos absolutamente todos são felizes, não é mesmo?Nada disso é bonito ou constitui novidade, mas o questionamento é importante, ele abre as portas que o levam a liberdade e a um estado de paz natural independente de como, quando ou onde estás,poderás adquirir paz em alguma loja, ou pesado em alguma quitanda ou tendo todos os elementos sugeridos para atingir tal fito?
Claro que não.
Se não tens posse de ti mesmo como uma individualidade literal liberto do contexto, raciocinando não contra a nada, mas pró a ti mesmo, você sabe qual o principio do amor, do respeito e do carinho? O mesmo que a natureza nos ensina a milhares de anos, o primeiro suprir-se a si mesmo e quando tu depois de suprido e permeado, começarás a dar frutos, frutos que vem de ti, teus galhos se estenderam ao alto pejados pela tua abundancia, sim, convida a todos a colherem o melhor de ti.
É possível dizer todas as coisas boas ou ruins, disfarçá-las, torná-las pardas,dar-lhe total ou ausência de significado, isto é sempre escolha, por infelicidade somos passionais demais em muitos aspectos e isso nos impede de colher bons frutos em lugares espinhosos,sim eles existem, você não consegue ver?
Um elogio ao cinismo elegante
Aos mentiroso perfecionistas emuladores da verdade.
E claro a esta errante e eterna mutante, a verdade.


Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

Da coleção pérolas do dia :

Em um papo informal, ligeiramente regado a lubrificantes da mente, eis a pérola:

"Não conheço nenhum ginecologista homem com boa aparencia..."
Rafael Oxley

segunda-feira, julho 28, 2008



Bailarino Perneta

Desde nascença já tinha problemas com a perna direita, na época a ciência era primitiva e por estas casualidades que somente a vida um dia talvez possa explicar, a perna desenvolvera uma espécie de paralisia e por fim quando chegando a adolescência quis o destino que ela fosse amputada, até a metade do fêmur, com o corte da perna em primeiro momento alguns de seus sonhos também foram amputados, e aqui mais um desfile das estranhezas das da vida, Emilio queria ser bailarino.
Ainda criança ficava olhando na tela da televisão o levitar daqueles bailarinos que pareciam ter asas e de alguma forma pairar acima dos que caminham atolados na terra, os olhos de Emilio brilhavam, era aquilo que ele queria fazer de sua vida, talvez por reconhecer sua deficiência inconscientemente, era preciso apegar-se aquilo que transcende as difíceis etapas das vida, diriam os bons místicos, apegar-se a fagulhas luminescentes de Deus,pois a arte,a filosofia,a religião, a ciência são tais fagulhas, em seu interior Emilio tinha a certeza que dançaria no Bolhchói, sabia que era bom, mas...mas..essa perna..essa perna!!
Emilio perdeu a perna, e no amanhecer do dia que se seguiu a cirurgia tocou no espaço vazio que era antes sua perna, ali começava uma saga,superar-se sendo um “extraterrestre” em a vida comum, mas havia uma estranheza nele, curiosamente embora a perna tivesse sido amputada o seu interior continuava o mesmo, sua cabeça queria e lhe dizia que deveria seguir querendo ser um bailarino, em seu devaneio, em pensamento afastou-se daqui, daquele pedaço de carne sem vida e vazio, percebeu que embora sem as devidas condições físicas sua vontade não fora removida, seu sonho estava vivo, tão vivo, apenas sem o corpo para dar-lhe forma, sim como pensamentos sublimes que eventualmente temos, e que por nossas viciações pessoais os deixamos para traz, talvez por nos tornarem bons demais num mundo selvageria que sobra.
É claro que os dias que se seguiram na vida de Emilio não foram fáceis, nunca o são, adaptações, fisioterapia, muletas e dores físicas, desconforto, mas olhos ainda brilhantes, que olhos brilhantes de vida repleto de sonho e sobretudo de paixão.
O tempo passou e ele aprendeu tudo que se pode saber sobre balé, sabia exatamente a proporção e densidade de cada movimento, assistia tudo que passava sobre balé em todas as manifestações e culturas, passava noites a fio lendo, analisando movimentos tentando captar a sublimidade subliminar do voar aos céus levemente e tocar no solo com mais suavidade ainda, ele sabia isso ,sabia como é ser assim. Devido aos seus contatos acabou sendo convidado para dar uma opinião em um corpo de balé iniciante, ele aceitou. Quando chegou lá disse muitas coisas, observou tecnicamente falava com definições acertadas, dando opinião de um expert em balé, bem ele foi tão bem ouvido que ao final, recebeu um convite para trabalhar como assessor técnico do corpo de balé, ele aceitou, sua vida naquele dia passou a ter um novo sentindo.
Sua obsessão que beirava a loucura de queres bailar leve e suavemente encontrava agora um pouso seguro naquilo que mais amava, não poderia dar os passos que entendia tão bem, mas pela sua batuta afiada tocaria o solo em vôos do pensamento, pelas pernas alheias dançaria sim, faria por aqueles que podem tudo que não poderia fazer por si, na verdadeira grandeza e liberdade de ser.
Quando se faz alguma coisa nesta vida, seja o que for deve fazer com dois sentimentos presentes em ti, o primeiro de entrega profunda, sincera e irredutível, e o segundo de desapego total, porque quando algo é grandioso ele passa a ter vida própria e seu segmento evolui e vai para alem de nós, saibamos abrir mãos de coisas que vêem através de nós mas que não devem morrer em nós, mas antes sim buscar o acalanto da vida, da paz e da serenidade.
Esse hoje é meu desejo maior a todos.


Paz e luz em seus caminhos.
Luis Fabiano.

Personagens Enigmáticos

Talvez doutra feita eu tenha mencionado a minha profunda simpatia pelo bizarro,pelo estranho e pelo não convencional, talvez por que semelhantes se atraiam , realmente não sei, mas a verdade o que me inspira e me faz rir, e exorciza os meus demônios pessoais ,são esses personagens repletos de esdrúxula manifestação, as vezes asquerosa manifestação, conheço tantos que já perdi a conta.
Ainda ontem falava que é preciso sabe ver e é bem assim, esses seres totens de loucura são pináculos da inspiração, bodes expiatórios de uma sanidade simulada, bem organizada e limpa demais, a eles respeito e nas suas personas marginais debruço-me buscando a inspiração e relato aos “normais”,
Sempre disse que pessoas comuns demais não tem nada a oferecer a não ser a sua previsibilidade natural(ainda penso assim...), talvez com o tempo eu reveja este conceito, pois quando se anda com uma katana embainhada sempre se espera um golpe fulminante que venha de lugar ermo, de pessoas ermas, e neste ínterim existe previsibilidade,não que considere todos inimigos, apenas compreendo o ato falho de cada um, daqueles que por inúmeros motivos rebentos ingratos da ignorância, fazem, dizem e agem como seres selvagens,é preciso respeitar a nós os selvagens, por isso minha katana fica onde está, em guarda e atenta.
Desculpe, não que eu pense que todos sejam uns filhos da puta, nada disso, apenas a grande parte das pessoas o é, e isso é natural se dimensionarmos o tamanho e o entendimento das coisas, é preciso ser sábio e entender que todos temos duas mães a de sugar os seios flácidos cheios de vida, e aquela que mora na zona(cabe aqui colocar que uma pessoa verdadeiramente saudável mentalmente tem essas duas mães, representadas aqui pelo aspecto mais serenos e emocionas e as manifestações mais primitivas do ser...),m as claro tudo isso com muito respeito, pois afinal fazem parte do cortejo destas pessoas a parte que como eu e você, não obstante aos aspectos exteriores, se irmanam quando o seu olhar errante busca as estrelas, querendo pairar de alguma forma por sobre si mesmo por sobre sua vida, minha vida, tua vida.
As pessoas gostam de terem sobre quem jogar suas pedras, confesso que não acho nada demais nisso, por vezes alguns merecem, mas é o equivalente a chutar cachorro morto ou seja pouca valia para melhorar como ente humano,com alguma qualidade, de minha parte prefiro uma pedrada verdadeira que uma acariciada nos testículos que seja uma falsidade,nunca fui de reclamar dos machucados que o viver naturalmente nos impõe, agradeço a eles carinhosamente, não me tornei nem amargo, traumatizado ou um catador de misérias,nada disso, aprendi a flexibilizar e não tornar nenhum aspecto da minha vida absoluto, tratá-los com a liberdade que gostaríamos de ser tratados, passo difícil é certo mas totalmente possível.
Agarrando-me a minha presunção gostaria de talvez lembrar as pessoas um pouco de sua fragilidade,num mundo onde não existem fórmulas de viver ou de felicidade,e preciso saber caminhar e sobretudo confiar serenamente, os taoistas chamam isso de entregar-se a vida, eu chamo de simplesmente buscar, busque sim, busque seu melhor, busque sua verdade,busque o aroma dos mares busque-se, e lembre-se, se contrapontos extremos existem e no mínimo eles são um lembrete.

De bizarro para Bizarro.
Paz e luz em teu caminho.

Luis Fabiano.

Somewhere Only we Know (tradução)Keane

Um Lugar Que Só Nós Conhecemos

Eu andei por uma terra desabitada
Eu conhecia o caminho como a palma da minha mão
Eu senti a terra sob meus pés
Eu sentei ao lado do rio e ele me completou

Coisa simples para onde você foi?
Eu estou ficando velho e preciso de algo em que confiar
Então me fala quando você vai me deixar entrar
Eu estou ficando cansado e preciso de algum lugar para começar

Eu encontrei por acaso uma árvore caída
Eu senti seus ramos olhando para mim
Esse é o lugar que nós costumavamos amar?
Esse é o lugar com o qual eu tenho sonhado

Coisa simples para onde você foi?
Eu estou ficando velho e preciso de algo em que confiar
Então me fale quando você vai me deixar entrar
Eu estou ficando cansado e preciso de algum lugar para começar

E se você tiver um minutopor que nós não vamos
falar sobre isso num lugar que só nós conhecemos?
Isso poderia ser o final de tudoentão por que nós não vamos para algum lugar que só nós conhecemos

Coisa simples para onde você foi?
Eu estou ficando velho e preciso de algo em que confiarentão me fala quando você vai me deixar entrar
Eu estou ficando cansado e preciso de algum lugar para começar
Então se você tiver um minuto por que nós não vamos

falar sobre isso num lugar que só nós conhecemos?
Isso poderia ser o final de tudo
Então porque nós não vamos?
Então porque nós não vamos?

Isso poderia ser o final de tudo
Então porque nós não vamos
para algum lugar que só nós conhecemos?

Como é próprio de bandas inglesas Keane é melancólico, doce e fala a alma por vias indiretas, enche o mundo de questionamentos por vezes cheios de culpa por outras repleto se um sentimento do tipo, o porque as coisas não podiam ser diferentes,mas no fundo é um dar-se conta da experiencia solitaria de cada um, a dor solitaria de cada um e os erros que cada um de nós comente eventualmente.
Aceite o convite de Keane e vá para algum "lugar" onde só você conhece bem, lugar estreito feito das tuas melhores e piores emoções, e lembre-se sempre que todos temos este lugar e que por vezes alguns de nós tropeça na vida justamente por não ve-lo com atenção.

Carinhosamente a todos.
Fabiano.






Da coleção, Constrangimentos Possíveis

Banheiro da Danação.


Existem coisas que se não pudéssemos vivenciá-las seria melhor, talvez na sábia colocação de Wood Allen,”o problema da morte não é o morrer, mas estar ali quando isso acontece”,seria bom que acontecimentos por vezes tão embaraçosos ocorressem apenas com outras pessoas e que estas apenas fossem hilárias historias para o gargalhar alheio, mas não, um dia e mais um dia sempre acontece algo que o deixa de em momentos digamos difíceis,mas sem perder o humor, as vezes é um humor desesperado e por vezes mau cheiroso!!
Aquele dia seria um dia muito especial, finalmente chegou o momento de Renatinho conhecer os pais da noiva amada, normalmente isso para um homem sempre é relativamente tranqüilo, afinal basta manter uma postura simpática, educada sem exagero e tudo da certo, mas para Renatinho isso é relativamente difícil, afinal ele era um cara todo certinho, desses que eu geralmente tenho enfado de falar, Renatinho era certinho demais!
Sempre penteadinho para direita, camisa para dentro das calças, e limpo absolutamente limpo, tinha uma mania de limpeza que chegava praticamente a homossexualidade,exagerado ,bem quando se é assim é fatal que você atraia exatamente as coisas contrarias a isso, é como estranho dos copos de cristal que atraem pessoas que não entendem bem sua delicadeza e os quebram facilmente, bem isso me faz lembrar de um primo distante...esqueça, se não eu vou contar outra historia.
Então Renatinho chegou a casa da namorada no horário pontualíssimo do jantar conforme a combinação, formalidades a parte e Renatinho agora começava a sentir uma ligeira cólica intestinal,(é engraçado este órgão do corpo humano, ele é absolutamente sensível ao nervosismo,e acelera suas funções ante um situação critica, a pergunta é porque o tal do intestino resolve jogar contra nós?Coisas de filosofia da buchada, como minha sensibilidade assim aflora!!)
Então serve-se o jantar e cólica de Renatinho ali sendo controlada pelo errante pensamento, vinhos, Champagne para o brinde aos noivos, alianças...risos, fotos mais risos,mais fotos...o circo estava armado nas entranhas de Renatinho. Terminado o brinde e as honrarias, ele pede licença a noiva Mariliana e aos pais para ir ao toalete, cólica galopante fazia uma pressão fora do normal, mas que teria causado aquele Vesúvio pronto a entrar em erupção?O Pastelzinho do Pires?
Quando finalmente chegou ao banheiro e baixou as calças sentou-se no vaso, o alivio imediato mas ao contrario que imaginava não era uma “água” fervente dentro de si, mas algo digamos mais encorpado e musculoso...você entendeu...né...o rapaz aliviou-se, e a vida nem por isso se tornou-se tão fácil, creio que ali começa outro do seus problemas. Ele limpou-se, vestiu as calças e tentou dar a descarga no vaso, bem na primeira tentativa o “capitão” travou em função do tamanho descomunal, ou seja entupiu o vaso água subiu até as bordas do vaso quase transbordando para fora,os olhos de impressionados de Renatinho olhavam aquele monstro morto que negava-se a partir, o vaso agora parecia um aquário bizarro com fragmentos nadando e um monstro colossal que não ia nem para frente e nem para trás.
Na limpinha cabeça de Renatinho aquilo era uma afronta, como ele tão limpinho poderia ter expelido aquele monstro?Como era possível?
Atordoado não sabendo mais o que fazer decidiu literalmente por as mãos na merda não achando nenhum aparelho para ajudá-lo na tarefa ingrata, tirou o casaco, arremangou a manga direita e mãos a obra, ao colocar o braço dentro da latrina a água transbordou molhando um pouco sua calça e sapatos, por fim conseguiu estrangular o monstro que então desobstruiu a passagem da água ele foi embora dando adeus e tudo. Renatinho agora precisa se recompor , secou um pouco o banheiro ,secou o suor e lavou as mãos, porem o sabonete era perfumado demais mas não era para limpeza profunda, sua mão embora bem limpinha tinha o aroma característico, nossa exalava forte, que faria Renatinho? Que você faria? Renatinho já estava arrependido de tudo, de Mariliana, do noivado, do banheiro maldito e do cagalhão rebelde, como so poderia acontecer não tendo saída porque já havia passado mais de uma hora no banheiro pensou genialmente:inventaria um machucado na mão como um corte ou alguma coisa assim enrolaria a mão na toalha de rosto sangrando e no hospital, (a estupidez humana é infinita...não existe duvidas a respeito disso...)Plano pensado e executado quebrou o vidro de sabonete com um caco de vidro cotou o lado da mão deixando pingar umas gotas de sangue no chão, pronto enrolou a toalha não mão.
Quando saiu do banheiro disse:calma pessoal não foi nada, não foi nada foi um cortizinho a toa nada demais, vou ao hospital. As pessoas ficaram comovidas com a situação, mas ele negou e pegou o carro e foi só.
Quando chegou em casa aliviado e mau cheiroso se tranqüilizou estava em paz,finalmente tomaria um banho e esqueceria aquele dia maldito...
Enquanto isso na casa de Mariliana, o pai olhava curioso para dentro do vaso e dizia Meu Deus!

Ria se for possivel.
Fabiano.










Bastidores rasgados

Caminhar sempre é um prazer gosto de respirar cheiro de rua, cheiro de gente aroma da existência, meu caminhar permite exercitar um dom que considero, o poder olhar as múltiplas situações da vida com olhar acurado, não gosto de me prender ao ignóbil prefiro a manifestação daquilo que transcende, com o tempo fui aprendendo isso, é possível tirar-se de momentos, situações e vivencias absolutamente comuns, a grandeza de contraparte capaz de tornar qualquer coisa ordinária que seja em algo de se ver, se admirar e sentir .Apenas é preciso saber andar, saber observar e flexionar o ver-se.
Nestas caminhadas da vida, de todas as vidas em uma viela comum, me disseram que eu não mais escrevia sobre a boa espiritualidade, como se minha “alma” tivesse ficado seca ou talvez sedenta demais, bem , para mim existe uma complacência cotidiana e um sorrir ante o engano alheio, em outros momentos não hesitaria em mergulhar laminas frias e afiadas nas quentes entranhas alheias, mas não, é preciso ter complacência e respeito pelo direito profundo que cada ser humano tem de ser absolutamente idiota (já escrevi sobre isso...), mas por outro lado é preciso também trazer a realidade aos fatos:Escrevo e falo de vivencias reais, de dores e humores reais, não invento nada, de dentro daquilo que a vida verte em nossos caminhos, não é isso o maior entendimento de vida e espiritualidade?Daquilo que aprendemos a duras penas, e o que antes era machucado converte-se em balsamo para as nossas e para feridas alheias, a experiência de viver, seja ela como for, e o que for.
Ou estes desejam que fiquei falando com anjinhos, implorando ao Criador um sinal, tentando quem sabe ver o quanto as pessoas são “maravilhosas” e em verdade são ignorantes?Mas isto não seria complacência?
Não posso. (prefiro falar de hímens complacentes...)
Essa é uma estrada solitária, muito solitária, a Divindade que eu creio, está tanto nas estrelas de primeira grandeza e como também nas piores vivencias do ser humano, nas dores sem fim e nos descansos da alegria e da paz.
Poderia sim falar dos regozijos, bem aventuranças e da iluminação que em verdade é o que as pessoas esperam em suas vidas, de paz, felicidade e amor, bem isso também é verdade, mas nada disso se obtém magicamente, e como quase tudo que nos cerca é uma questão de entendimento de oportunizar-se, realmente para mim não me interessam os sorrisos da vida, mas sim o que se passa no oculto daquele sorriso, a sombra dos bastidores onde repercute a verdade de cada um, quero ver e saber de irredutíveis verdades, e estas raramente estão expostas,disfarçadas para que talvez a dor não se torne lancinante, não nego a felicidade possível, apenas quero que ela seja verdadeira e não melíflua voz de sereias!
Como não falo de espiritualidade então?
Como já eu dissera doutra feita, é preciso saber ver a vida e senti-la em seu intimo, aquele que o sabe mesmo que esteja mergulhado em caos ululante encontra a benesse para descansar a cabeça e aliviar o peito. Claro que poderia falar tão somente de céus mas isso seria tão falso como aquele que só fala de terra, falo de mim e de você daquilo que nos torna verdadeiramente irmãos em uma dimensão de desejos e semelhanças de pensamentos a procura de pensamentos semelhantes, de dores semelhantes e de humanidade tão próxima de nós.
É preciso saber ver.
Para que aquilo que se expressa seja verdadeiro não basta pairar ilibadamente sobre lama, alvo e puro e eis a grande confusão, não é a forma que deve ser pura mas a essência e uma essência pura significa verdade, e ser verdadeiro nem sempre implica em ser bem acabado em um traço de “perfeição”,falo de expressão de si do teu aspecto irredutivelmente humano que somente com muitas dores e esclarecimentos que consegues burilar e chegar a um estado de paz.
De fato, não falo de lagrimas, mas o que esta por detrás da lagrimas, não me refiro a fáceis sorrisos, mas o que cala por detrás do que gargalha, não falo de morte falo de vida real que pulsa e vibra em ti e nos leva ao próximo passo, sempre tem um próximo passo...

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

“Eu estava relaxado. Com muito sexo, e muito tranqüilo de espírito. Nada atormentado. Bom, tormentos sempre há. Mas agora consegui afastá-los um pouco. Deixei-os a uma certa distância no futuro. É uma boa maneira de torná-los indistintos e não escutá-los. Eu tinha uma mulher em casa. Havia recuperado alguns quilos. E vivia. Sem nada para fazer. Sobreviver, creio que se chama isso. Deixar-se deslizar e não esperar nada mais. Muito fácil.”

Pedro Juan Gutierrez .

"O homem que guerreia contra si mesmo e vence a batalha só pode consegui-lo quando sabe que nessa guerra ele está fazendo a única coisa digna de ser feita."


H.P.B

quinta-feira, julho 24, 2008



Breve...de mim.

Onde pairas em breve instante
Quando em mar de palavras sopram a tua alma em busca do que sacia a fome funda,
No querer de ouvir, no querer de sentir , no querer de querer, em linguagem que não entendes, por ainda não abrires mão de ti mesmo, pois é assim, para que algo ganhe vida própria,mais que o teu querer é necessário, é preciso os teus não quereres também, nada de fragmentos escolhidos, és tu integro puro ou impuro, és tu total.
Deixa agora o medo que te acolhe, e abre teu ser mesmo que não o gostes, como carinho que dispersa ao vento, como uma mão de adeus, adeus de até breve feito de risos e tênue melancolia.
Aprende a saciar tua fome de alma nas essências de simples coisas,nestes tantos nadas que a vida propõe sempre, sorri por sorrir na grata e bela satisfação de estar vivo, te permite ver o brilho de tudo que existe, pois a lua sonha com o brilho dos teus olhos vasculhando o infinito, buscando, buscando,aprende a linguagem da vida que pulsa,vibra e deseja o melhor para ti, se souberes como colher o melhor. Isso, aprende a colher vida abundante em tudo, sem que fibras do teu coração e os dedos do teu espírito se lanhem na existência, não querias agarrar tudo em tuas mãos e aprisionar,mas como um canto ganha o espaço e voa livre, aprende a deixar livre também, livre como sementes em busca da terra, semeia então despretensiosamente.
Tua alma se farta.
Pois da grandeza daquilo frutifica em nós, advêm aquilo que é o melhor de nós, serenamente conseguimos compartir, como se déssemos pedaços de nós mesmos e sem nada perder e sem se perder.
Pudéssemos viver da partilha de uma fome satisfeita e congratular-se apenas na paz.
Fica com o meu melhor.


Paz e luz em teu caminho.
Fabiano.
Di presente...

Poucas coisas testam o bom gosto de alguém como a arte de presentear, neste contexto de acertar o bom gosto é uma química um tanto quanto misteriosa pois inclui na apreciação, aspectos como:tipo de pessoa, o que gosta e principalmente que momento ela esta vivendo em sua vida, esta parte é delicada, portanto coisas muito pessoais, a não ser que você seja muito intima da pessoa, aqui me refiro intimidade ampla, de saber cheiros, gostos e paladares, você se arriscaria ao errante ?Eu não recomendo.
É talvez eu não me arrisque, sou de fronteiras seguras, existem presentes que são garantias de felicidade e outras que bem...se parecem mais com desejo de vingança que um presentear, e assim me aconteceu muitas vezes, tinha a impressão que a pessoa não estava me presenteando, estava me agredindo, agressão por vezes sofisticada e cara, mas as pessoas o fazem entre risadas e naquele constrangimento na hora da entrega quando você recebe um elefante africano, um tubarão branco etc... para colocar onde? Enfiar onde?Por favor, eu me calo.
Minha memória então evoca tristemente umas destas ocasiões de uma antiga namorada que sofreu o processo de convivência comigo, e no afã de querer acertar muito, perdeu-se, o pecado do excesso seja do que for é punido também, não pense em super-abundancia de nada nem de aspecto emocionais(você não precisa agradar totalmente...), de beleza, gentileza, limpeza ou educação, nem sempre são os ingredientes para aquilo que atinge qualidades nobres, ledo engano, equilíbrio sempre é uma estrada difícil mas nobre, é melhor errar o procurando, mas deixemos para lá.
Era dia do meu aniversário, eu por vezes me esqueço deste dia, talvez inconscientemente eu queira minha anulação, ou esteja raspando minhas misérias pessoais do fundo de mim mesmo, segundo os conceitos “ocultos” da analise, é ou não é Lopes? Que seja, este dia costuma não me dizer muito, apenas o dia que vim a existir neste mundo, devo lembrar que isso faz muito tempo, então cheguei em casa que não era a minha casa, e recebi o presente em um lindo embrulho, todo personalizado com um cartãozinho repleto de demonstrações de sentimento e cravos, se bem me lembro a relação estava desgastada, muito alias, já havia troca de grosserias que advêm de um convivência de muito tempo, bem o cartão foi um agrado a mais, e então o presente: Mas antes de falar com presente, deixa eu dizer algo sobre educação social, normalmente sou educado o que não quer dizer que diga sim a tudo o que vem meu estado de espírito é enigmático eu mesmo quase nunca sei como vou agir tudo vida uma grande surpresa...bem não sou passional de forma alguma e nem tão pouco apegado a fórmulas que são”politicamente corretas”, posso ser carinhoso e áspero ao mesmo tempo.
Abri o presente e tive um choque: Porra, alguém que convivia intimamente comigo,uma “linda” cueca samba canção de coraçãozinhos, minúsculos!???!!! Na hora que abri o embrulho confesso que fiquei com embrulho estomacal, aquilo era horrível, então conforme manda a boa educação eu olhei para aquilo com olhar complacente de pedinte em porta de igreja, pensei comigo: Porra, Fabiano, que vais fazer agora?? Agradecer a ela por esta merda? Sorrir para ela e dizer, puxa era justamente o que eu queria, puxa obrigado, puxa que legal, puxa...!! Ou dizer para ela: que isso? Estas doida? Tu acha que vou usar esta cafonice?Queres que imite o Falcão?
Nestes momentos de decisão a verdade por ser um vicio terrível, por vezes pode ser desagradável e grosseiro, bem não era meu caso,o aniversario me deixou disposto a cordialidade.Incorporei um personagem qualquer, bobo, tolo e feliz e agradeci aquele presente com cara de vingança. É claro que nunca a usei, aliás até perdi de vista, como memórias traumáticas que deixamos para trás e desejamos enterrar no meio do deserto.
É claro que o presente não fez terminar a relação, mas com toda certeza ele o foi a gota d’água pois alguns dias depois tudo virara poeira e caia em novo esquecimento, e a isso eu respeito, puxa ainda bem que todos nós conseguimos esquecer tudo, pois este desvincular-se, permite nos oportunizar nova experiência com mais tato, responsabilidade e sobretudo dimensionando palavras, carinhos e expressões no exato tamanho em que são, como disse no inicio sem excesso, pois o equilíbrio é difícil mesmo, mas possível.

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

Why ?(tradução)
Annie Lennox
Composição: Annie Lenox

Por Quê?

Por quê?
Quantas vezes eu tenho que tentar lhe dizer
Que sinto muito pelas coisas que fiz?
Mas quando começo a tentar lhe dizer
É aí que você tem de me falar
Ei... esses tipos de confusão apenas começaram
Eu digo a mim mesma várias vezes
Por que você nunca aprende
A manter sua boca grande fechada?
É por isso que machuca tanto ouvir as palavras
Que continuam caindo de sua boca
Caindo da sua boca..
Diga-me... por quê
Posso estar louca
Posso estar cega
Posso estar sendo cruelmente má
Mas ainda posso ler o que você está pensando
E eu ouvi isto ser dito várias vezes
Que você estaria bem melhor sozinho
Além disso

Por que você não pode ver

Que este barco está afundando?

Vamos para a margem
Nós podemos nos livrar daquelas dúvidas
Certas coisas não devem ser ditas
Mas elas ainda me reviram por dentro
Revirando por dentro.. revirando por dentro..

Diga-me... por quê
Este é o livro que nunca li
Estas são as palavras que nunca falei
Esta é a trilha que nunca seguirei
Estes são os sonhos que sonharei ao invés
Esta é a alegria que é raramente espalhada
Estas são as lágrimas, as lágrimas que derramamos
Este é o sentimento
Este é o temor

Este é o conteúdo da minha cabeça
E estes são os anos que passamos juntos
E isto é o que eles representam
E é assim que me sinto
Você sabe como me sinto?
Porque eu acho que você sabe como eu me sinto
Acho que você sabe o que eu sinto
Por quê..
Acho que você não sabe o que eu sinto..
Você não sabe o que eu sinto.


Tantas perguntas, tantos questionamentos, puxa tantas coisas, de tudo aquilo que deveria ser e não é, e cujos os resultados nos levam a estranhos pensamentos, pensamentos errantes que buscam a explicação...de uma mão que não se estendeu..e de um tudo tão presente.A musica de Annie é a tradução do que cala, doque fica em silencio em nossa alma, as vezes triste, feliz, as vezes... Ela canta com intensidade berrando os questionamentos e afirmações como a dizer: não é assim, não aceito, e entendo que esta certo, tudo certo! Annie berra o que lhe vai na alma, seja oque for, intensa, triste e linda. Leia a musica com atenção, ela diz tanto,agora os deixo com Annie Lennox, com duas interpretações lindas.


Paz e luz em teu caminho.


http://www.youtube.com/watch?v=ILJxICUIbCY


http://www.youtube.com/watch?v=qLuDP0przys




"Até posso ser uma narrador da miséria humana,talvez da minha miséria, mas sou completamente apaixonado pelas belezas da vida, numa espécie perfeita de amor platônico."
Fabiano.

quarta-feira, julho 23, 2008



Bizarros repletos de glamour

Confesso eu sou um alienado(as vezes alien )e cada vez mais esta opção me é mais simpática por motivos de sobra, cada vez que intento bancar o atualizado, percebo o quanto eu tenho razão de permanecer o bobo da corte,alheio as misérias deste mundo, diversão ainda é o melhor negocio, começo a achar mesmo que não se pode levar a grande parte das pessoas a sério, é impossível, deixo isso para profissionais da saúde que ganham a vida com a doença alheia,não é ?As vezes a cura fica pior que a doença.
Me sentei em meu confortável sofá enquanto a televisão cuspia informações em forma de noticias para me atualizar, lamentável, triste mesmo, quinze minutos depois eu estava nauseado e chegando a conclusão do desterro desta humanidade, que amargo,depressivo, aquilo que assistia, coisa que mais parecia ficção adornada em voz sem emoção, faces sem expressão, como cortes sem sangue, como vida sem lagrimas e coração sem amor.
Me levantei procurando o ar puro,fresco para dispersar a energia ,que desfizesse os trágicos dramas inescapáveis da vida de gente que desconheço, pensei comigo:Mas que me adiantava saber detalhes sórdidos de todos os crimes,assassinatos,violência e outros, em que isso metamorfoseava minha sofrida consciência? Ou aquelas “preciosas” informações contribuíam grandemente para alimentar o que de pior tenho em mim, medo e me tornar mais preso, gradeado seguro, eu estando seguro, bem o resto não tem e nunca terá muita importância!Agora você pode sorrir aliviado!
Ao bobo da corte resta a função de divertir-se enquanto introduz um dedo no reto do rei, entre risos e deboche, adiantará tua pena, tua tristeza e depressão diante um mundo a delirar?Deixo aos de fé entupirem o céu de orações, pedindo a Deus,aos bons espíritos que nos salve?Não, você sabe bem disso,ninguém o salvará, me salvará mas sim cada ato digno teu e meu e a esta dignidade não me refiro logicamente em ser tão somente “bonzinho”,mas antes de qualquer coisa ser autentico e verdadeiro, e para isso as vezes o traço não é assim tão bonitinho!
Sorria, mesmo que o aroma pestilencial adentre tuas entranhas, será mais nobre e permitirá manter o resto da tua breve sanidade mental, aprendi desde muito que rir de si mesmo é uma atitude de profunda sanidade e que aqueles que são contraído, preso acumulam uma toxina que lhe envenena não tão somente o corpo mas alma.Quando levantei daquele sofá, agradecia ao Demiurgo por poder optar entre o mundo e seus abismos de terror sem fim ao que os caridosos chamam de nossos irmãos, e a um mundo feito dos fragmentos de minha consciência Nele, de quem consegue em um dia cinza entender a sua sublimidade, importância e a sua transitoriedade.É claro que existem coisas horríveis neste mundo...e assim deve ser,somos seres ainda débeis da razão, que precisamos de cores escuras e densas de fundo, para perceber o brilho diamantino da alma.
Permaneço alienado e assim ficarei, sem drama de consciência, meu lamento não sofrido por seres que fazem suas escolhas ou são levados a fazerem suas escolhas, tenho em minha alma e vibrante em meu coração na sabia colocação daqueles que entendem um pouco a vida, é preciso aspirar as estrelas com toda certeza, mas não afaste muito seu olfato do solo onde jazem os aromas mais pútridos,mas aspire as estrelas.
Peso e dimensão da realidade.



Carinhosamente a todos os que buscam.
Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

"Política e putaria são coisas que andam muito próximas..."

Fabiano.


"Nós cremos no alívio da fome da alma, tanto ou mais do que no vazio do estômago; porque a gratidão beneficia mais a quem a sente do que a quem a inspira."

Extraído da obra - A Chave Para a Teosofia, 165

terça-feira, julho 22, 2008



É Isso Aí
Ana Carolina
Composição: Damien Rice (vers.: Ana Carolina )


É isso aí
Como a gente achou que ia ser
A vida tão simples é boa
Quase sempre
É isso aí
Os passos vão pelas ruas
Ninguém reparou na lua
A vida sempre continua

Eu não sei parar de te olhar
Eu não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não sei parar
De te olhar

É isso aí
Há quem acredite em milagres
Há quem cometa maldades
Há quem não saiba dizer a verdade

É isso aí
Um vendedor de flores
Ensinar seus filhos a escolher seus amores

Eu não sei parar de te olhar
Eu não sei parar de te olhar
Não vou parar de te olhar
Eu não me canso de olhar
Não vou parar de te olhar

Uma das coisas mais dificeis da vida é saber o tempo certo de todas as coisas, o momento, por vezes por nossas limitações perdemos as sublimidades do que acontece, o tempo passa, nós passamos, nos perdemos.
As pérolas da existencia são estes encantos das coisas simples,beleza de quem sabe ver, sentir e sobretudo vivenciar, permita-se ao simples, entregue-se a perene serenidade da existencia e sorria e nunca pare de olhar...

http://www.youtube.com/watch?v=CjmLI0VyLmM

Quedar-se em Sí

Desde que me conheço por gente sempre fui um cara de questionamentos, alias aprendi a não aceitar nada docilmente, tudo é questionável, e ainda mais se tratando de ser humano, puxa esses mais ainda, questionáveis e duvidosos e imprecisos,algumas vezes são o ridículo original, quando em uma tentativa vã de afirmar-se abusam das suas capacidades, erro letal, o abuso, sempre obrigando as pessoas a repensarem mediante alguma dor.Talvez então para tentar coibir tais abusos humanos criamos um jogo de gato e rato chamado lei,tem-se uma vaga idéia que funciona, criou-se essa emulação para mais ou menos ordenar a vida das pessoas que de uma maneira geral desconhecem o bom senso das coisas, uma ordenação exógena imposta para tentar constituir e aparentar a ordem social a qual rendemos graças que não funciona em quase nada.Basta observar atentamente.
Não, não sou revolucionário, longe de mim, alias tenho opinião bastante contrária a revolucionários,os considero tolos, eles são vitimas de sua passionalidade descontrolada e no afã da coragem e indignação apenas não se controlaram,não respeito revolucionários, principalmente pelo que segue a revolução, a luta de um homem só, é só a luta de um homem. Desde de muito cedo observava estas leis todas, confesso que acho algumas bem divertidas e outras ridículas, principalmente porque quanto mais severa for a lei, mais elaborada a maneira de burlá-la, corrompe-la, e sabem que a maioria dos homens e mulheres se vendem muito barato, triste mas verdadeiro, honra é mercadoria de luxo, facilmente extorquível. Baseado nisso, formei quase tudo que penso, e a tudo que questiono, o ser humano não é criado para ser responsabilizado por si mesmo como um ser isolado , sempre existe um terceiro que é o culpado(a), e quando não existe culpado inventamos uma patologia que justifica a quase tudo, afinal quem questiona a doença? Pode ser que eu morda a língua, talvez, mas não me dobro a qualquer coisinha.
Ante as leis humanas existem as que tem um bom senso razoável eu as sigo, outras eu ignoro com plena consciência, tenho para mim que falta ao ente humano um dose cavalar de bom senso em tudo que faz, pois se todos tivessem bom senso as leis seriam dispensadas, então, o bom senso fica para aquelas poucas almas que pensam e que sabem que driblar uma lei é fácil se você for inteligente,improvisador e acreditar piamente em tudo que diz e faz.Vamos as piadas agora?
Dizem para você, olha, a velocidade máxima permitida é oitenta quilômetros nas estradas federais, porem você compra um carro que sai de fabrica andando a duzentos e vinte, sendo que o carro é feito no pais e você ainda paga imposto maior por ter um carro com tamanha potencia!!Se a lei é seria os carros não deveriam sair de fabrica andando mais que oitenta quilômetros, essa é a solução real e condizente, e na teria ninguém anda a mais que oitenta não é!!!?Só rindo.A questão é puramente financeira. Ninguém esta interessado que você vá morrer ou matar, se vai bater a 200 quilômetros, é só você pagar multa e tudo fica bem.Na minha opinião, sugiro você ter a responsabilidade de andar a duzentos e vinte, escolha o momento e local ideal e mande bala, quem vai impedi-lo? Seguindo as piadas.
Temos atualmente a lei seca mais rigorosa do mundo(sem condições de fiscalizá-la), porem você precisa ser inteligente.É claro que você vai beber,beba sim mas não até cair porque ai fica difícil dirigir,mas que tenhas razoáveis reflexos e saiba o que você esta fazendo andando devagarzinho, tente, se não der mesmo desista ai pegue um taxi,simples bom senso.Se vir alguma blitz não vá passar por ela, pare o carro com bastante antecedência e aguarde o término, afinal elas são sempre muito rápidas.A lei esta equivocada e os que se matam por causa do álcool são irresponsáveis sim, pegam um carro que anda a duzentos quilômetros...desculpe não resisti.
E as drogas, assuntinho bom, basta pensar, se você uma pessoa com tendências descontroladas de viciar-se a qualquer coisa, pense, evite isso,não vai dar certo,viciados são chatos demais e se consideram vitimas, na verdade as pessoas chamam de doentes o que é um erro, é uma burrice, se você deseja aliar a sua vida e tranqüilidade ao consumo de alguma substancia é lógico que o dia não tiveres a substancia será problemático, quando as pessoas não tem bom senso tudo se torna uma problema, falta de inteligência é a principal razão. Minha sugestão é:se você não tem um certo domínio de si mesmo, não faça nada errado, nada mesmo, a lei irá proteger você de você mesmo.Por mais ridículo que isso pareça.
Existem mais piadas, piadas que vemos todos os dias nos noticiários, de gente que burla a lei e fica por isso mesmo, gente que sabe como fazer algo errado e manter-se impune,não me entenda mal, mas eu respeito tais pessoas, pois eles venceram o sistema, estão acima dele,a apreciação aqui não é moral ou de caráter é de habilidade e inteligência.(cabe aqui comentar uma coisa:as pessoas quando dizem que ficam indignadas com a injustiça,só dizem porque estão do lado de cá da historia,porque não ganharam os milhões e etc...não seja tão moral, tão limpinho, porque isso quase soa a um engodo, ou você na sua vida nunca cometeu algum pequeno deslize?).Eu fico com o final do filme advogado do Diabo em que o protagonista Milton diz a sua vitima: “Ele quer brincar com você:olhe mas não toque,toque mas não prove,prove mas não engula! E você fica pulando em uma perna só para tentar sair disso...”leis de culpa cujo o fito principal é colocar-lhe limites e para dizer orgulhosamente que tudo esta funcionando.
Essa é a auto-coroação humana.
Nem sempre a verdade é bela ou poética.
Paz e luz em teu caminho.
Fabiano.



“Se minha fé depende das provas ou de estímulos, ela é barganha com o Altíssimo, poderá Ele negociar consigo mesmo?”

Fabiano.

sexta-feira, julho 18, 2008


Todo Azul Do Mar
Flávio Venturini
Composição: Flávio Venturini E Ronaldo Bastos

Foi assim, como ver o mar
A primeira vez que os meus olhos se viram no seu olhar
Não tive a intenção de me apaixonar
Mera distração e já era momento de se gostar

Quando eu dei por mim nem tentei fugir
Do visgo que me prendeu dentro do seu olhar
Quando eu mergulhei no azul do mar
Sabia que era amor e vinha pra ficar

Daria prá pintar todo azul do céu
Dava prá encher o universo da vida que eu quis prá mim

Tu...do que eu fiz foi me confessar
Escravo do teu amor, livre para amar
Quando eu mergulhei fundo nesse olhar
Fui dono do mar azul, de todo azul do mar

Foi assim, como ver o mar
Foi a primeira vez que eu vi o mar
Onda azul, todo azul do mar
Daria pra beber todo azul do mar
Foi quando eu mergulhei no azul do mar

Foi assim, como ver o mar
A primeira vez que os meus olhos se viram no seu olhar
Não tive a intenção de me apaixonar
Mera distração e já era momento de se gostar
Quando eu dei por mim nem tentei fugir
Do visgo que me prendeu dentro do seu olhar
Quando eu mergulhei no azul do mar
Sabia que era amor e vinha pra ficar

Daria prá pintar todo azul do céu
Dava prá encher o universo da vida que eu quis prá mim

Tudo que eu fiz foi me confessar
Escravo do teu amor, livre para amar
Quando eu mergulhei fundo nesse olhar
Fui dono do mar azul, de todo azul do mar

Foi assim, como ver o mar
Foi a primeira vez que eu vi o mar
Onda azul, todo azul do mar
Daria pra beber todo azul do mar
Foi quando eu mergulhei no azul do mar

Temos este vinculo com a natureza, inescapável o que não deixa de ser uma espécie de amor, amor de convivência ainda que estas as vezes seja daninha, de uma maneira muito especial a vida e a natureza nos propõe os benefécios, mas não temos esta passividade se simplesmente fruir com serenidade as coisas, precisamos infelizmente aprisionar,agrilhoar tudo a nossa volta e ao fazermos isso perdemos a essência real e profunda.Queres o amor, aprende abrir mão dele, queres a fé, torna-a espontânea,queres felicidade, aprende a fazer feliz aqueles que te cercam,queres iluminar tua alma, aprende a libertar-te do pesado jugo da ignorância.
Mergulhe no mar azul.

quinta-feira, julho 17, 2008



Fragmentos do cotidiano

Olhos verdes: Da beira de um lixo.

Caminhar é uma experiência excelente para quem sabe desfrutar da paisagem, para quem sabe observar o ambiente “comum”e enfadonho da cidade, meu olhar embora eu seja completamente míope, estão sempre procurando algo interessante, o mundo dentro do mundo, as vezes isso é fugaz e apenas sensório não chegando a inspirar nobres pensamentos, mas com toda certeza existem situações que passam despercebidas de nosso cotidiano e que embora sejam por vezes dramáticas, possuem sua plasticidade estética quase imperceptível abalroada pela nossa indiferença, contra-ponto do viver. Nem tudo é bonito, isso é certo.
Nas proximidades da Barroso, numa daquelas vielas tinha uma caçamba de lixo destas que ficam entulhadas quase a beira da calçada com todo tipo de lixo possível,eu caminhava lentamente e por instante vi que algo se mexia naquela caçamba, pensei comigo:será um rato enorme? Ratão? Me aproximei para matar a curiosidade vã, quando cheguei a beira da caçamba tinha uma garota de aproximadamente quatorze anos remexendo sacos de lixo, abrindo-os em busca de comida, algum utensílio alguma coisa...qualquer coisa.Então ela olhou para cima e seu olhar encontrou o meu, na moldura encardida de sua face, lábios assados, nariz sujo, cabelos negros e grudados, grossas sobrancelhas e olhos, olhos verdes brilhantes, lindos, um olhar repleto de vida, intensidade que me encarou diretamente.
Eu sorri e disse:Oi, e ai tem alguma coisa ai? Eu disse rindo meio que querendo breve papo. O olhar da criança se desarmou e disse: é to procurando né, mas as vez tem!
Ai perguntei o nome dela, chama-se Heloisa, com H, ela me falou, eu sorri mas claro que entendi a mensagem do H, a letra que significava sua dignidade seu ser de si mesmo, o não ser abjeto.
Conversamos um pouco, mais e ai o restante você pode fazer idéia, drama existência de cada um, que se repete a milhões de pessoas, condições difíceis, miséria, vícios no lar e coisas correlacionadas, vida sem beleza e sem brilho, drama de existir conseguir sobreviver.
Lembrei de minha infância,claro nunca passamos fome e fui ensinado a aproveitar bem as coisas ate o fim e limite, não desperdiçá-las em vão, porque de alguma forma era o entendimento de não sentir-se culpado por de certa forma usurpar quando não faz uso devido,daquilo que nos abunda no medonho desequilíbrio do mundo, a falta ao que não é diferente de mim, tão humano como eu, ainda que chafurde como um rato.
Passaria indiferente sim, como quantas vezes se passa, mas você entende que existe o momentum, em de alguma forma a dor alheia é tua dor também sem que isso seja psicopatológico,pois afinal, não é e nunca será bonito ver entes humanos em meio ao lixo, confundidos com o lixo.Minha mente vôo longe com o olhar de Heloisa com H.
Penso que este mundo mesmo é um ambiente hostil feito para o crescimento e os que não conseguem crescer, respirar não vitimas de um caótico sistema, são partes dele e que lhe falta a compreensão disso,a culpa não é minha, não é tua ou de Deus, não existe culpado, a batalha de cada um é guerra de cada um e por vezes é preciso endurecer as coisas,criar uma carapaça, e por outra afrouxar aliviar,Heloisa era o símbolo disso,espero mesmo que ela sobreviva. Pelo que vi, ela esta mais viva que muitos que conheço de olhar apagado e sombrio, estado da alma.
Canta em silencio a musica da miséria, não tocas em alva e macia seda, mas rastejas imitando abjetos seres,mas brilhas em olhos de esmeralda esperança viva,quente de sonhos que não se partem ainda que em brava hostil seja agredida vida.

Carinhosamente.
Paz e luz em teu caminho - Heloisa.
Luis Fabiano.

“...Se você tem idéias próprias - mesmo que sejam poucas idéias próprias - tem que compreender que estará sempre encontrando caras feias, gente que vai fazer questão de lhe dar o contra, de diminuí-lo de “faze você entender” que não tem nada a dizer, ou que você deve evitar aquele sujeito porque é louco, ou efeminado, ou um verme, um ladrão,outro porque é punheteiro ou voyeur ,outro porque é ladrão, outro macumbeiro, espírita, maconheiro, outra porque é canalha, indecente,puta, sapatona,mal-educada.
Ele reduzem o mundo a umas poucas pessoas hibridas, monótonas, aborrecidas e “perfeitas”. E assim querem transformar você num excluído num merda. Jogam você de cabeça na seita particular deles para ignorar e suprimir todos os outros. E lhe dizem:
“A é assim, meu senhor, um processo de seleção e descarte. Nós somos donos da verdade. O resto que se foda. E como passam trinta e cinco anos martelando isso no seu cérebro,quando você está isolado se acha o máximo e se empobrece muito porque perde uma coisa bonita da vida ,que é desfrutar a diversidade, aceitar que nem todos somos iguais e que se assim fosse seria muito chato.”

Pedro Juan Gutierrez - Trilogia Suja de Havana


quarta-feira, julho 16, 2008


Clarice

O tempo passa e embora eu tenha plena consciência disso, ainda me quedo meditando eventualmente sobre sua estranha magia, por vezes agressiva magia e raramente ou talvez subjetivamente algumas seres humanos se transformam em bom vinho, metamorfose da existência, do existir, que torna-se visível em nossos pentelhos nevados, não ria não, é a verdade muito interior.
E claro com essas experiências todas que a vida propõe, fica difícil não lembrar-se do que eventualmente marca ainda que seja uma marca deletéria. Eu vinha caminhando, passos de quem relaxa de breves momentos, olhando errante a paisagem de transeuntes em busca dos seus desejos, deveres, em busca de nada, eu caminhava, então vi na calçada oposta, a vizinha de uma antiga namorada que tive quando tinha 15 anos de idade, ali de me dei conta que como o tempo é cruel!
Clarice era muito chata,insuportavelmente chata.
Não pense que tenho prazer pessoal de apontar bizarrices alheias, mas é preciso ser realista e condizente afinal secretamente temos nossas aberrações, mudas, caladas, inconscientes, então saibamos fazer a catarse, rindo de nós mesmo. Clarice sem duvidas havia piorado muito, com toda certeza, na época que a conheci, ela fazia parte da Igreja do Reino de alguma coisa que não lembro bem, ela era crente até o ossos, tudo era proibido,tudo era feio,tudo estava errado, tudo era pecado, e como eu era e sou bastante sarcástico beirando a crueldade desmedida dizia horrores para ela, com o fito de escandalizar, claro, ter o prazer sadista a parte, era muito divertido olhar a cara de espanto dela, enquanto em meu deboche esporrava vitupérios e grotescas frases! Com isso é claro que ganhei uma inimizade gratuita, mas tudo na vida tem custo, esse era o custo da diversão, a indiferença de alguém que me era indiferente, certamente eu não teria drama de consciência algum,algumas maldades são assim.
Mas não sei quem foi mais punido pelo tempo, eu pela maldade de violentar princípios alheios por diversão, ou ela por sua limítrofe capacidade de ver e entender a vida sob uma angulação tão pecaminosa, no inferno ou não, o tempo a havia pego violentamente.
Clarice nunca foi uma miss, mas ela conseguiu piorar muito em todos os sentidos, claro gostaria de ter falado com ela, mas ela não se lembraria de mim, afinal ela com toda certeza não falaria comigo, ela seguia crente, cabelos longos e pelos espessos,(é que minha imaginação é fértil),caminhava rápido, com aquela saia longa de Maria mijona, a aparência era horrível. Enquanto Clarice desfilava pelo outro lado da calçada, eu pensava que caminhos a vida dela tomou, se é que tomou algum ? Pensava nestas escolhas humanas, que terminam por castrar a beleza possível em si, não falo de beleza física, falo de subjetividades, brilho único capaz de dispersar sombras que a forma por vezes dilapida, belo, feio,maravilhoso, terrível...que coisas são essas?Para quem sabe olhar estes conceitos castradores não passam de vozes desafinadas, nada mais.
Clarice se foi pela calçada a fora, e sua ausente companhia me fez companhia, queria que ela estivesse bem, mesmo não significando muito para mim, uma memória errante de um passado bestial, ela continuava a mesma vida, e eu o mesmo debochado, possivelmente eu não hesitaria em dizer uma piadinha a ela, talvez não risse também, pois afinal o tempo passa e os sulcos de nossas faces já viram e sentiram tantas coisas, algumas se tornaram prisioneiras e outras libertas da nossa alma.
Parei meu trajeto e virei para trás, e desejei a Clarice toda paz que lhe fosse possível, porque no final o que realmente tem relevância e neste breve instante de ser feliz que nossos caminhos devem propor.

Carinhosamente, aos que buscam ainda que por vias difusas.
Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.




De tanto que disse, nada ficou.

Nada de lamentos ou pesares repletos de amargores, não é preciso saber e sobretudo compreender que cada aspecto da vida tem suas mensurações, e talvez por ingenuidade, inexperiência ou mesmo burrice se diz coisas tolas, sem que se diga nada muito profundo com isso.
Quantas vezes abrimos a boca e mesmo com todas as veras do coração falamos como que quem seguisse fatal script das obras que combinam com a situação, improvisação não entendida, talvez por isso me tornei arredio a algumas palavras,não gosto mesmo delas,elas significam ou significaram em minha ampla vida, mais motivos de agonia que prazer e por ressaca moral e fadiga, bem, possivelmente eu faria tudo de novo se re-contextualizasse tudo, mas para a alegria de todos, a vida não anda para trás,e a dor se por um lado dilacera o teu melhor ou pior, por outro enriquece nosso coração na busca de valores mais constantes, mais serenos e belos, talvez mesmo mais acertados.
Com isso se aprende que o silencio é algo inestimável, que aquilo que cala por vezes grita inflamadamente a alma,e o caminho inverso por vezes não passa de traços imprecisos do que se sente, o verbo eleva e castra ao mesmo tempo, o verbo aprisiona a leveza do sentindo que o silencio propõe.
Uma vez cheguei mesmo a meditar sobre isso, e enquanto estava com as pernas cruzadas em lótus, a revelação veio, o silencio diz tudo as almas sensíveis, e a voz por mais sincero que o seja é mentirosa, puxa, será que mesmo sem querer menti tantas vezes assim?
Creio que sim, quando por vezes imaginava nestes vôos do pensar, não era acompanhado, mas não havia vitimas nem algozes apenas rascunhos imperfeitos de um desenho querendo ser alguma coisa, e na tosca visão de quem vivencia tem uma importância fundamental, isso é o interessante, a vivencia distorce essa capacidade de ter uma visão adequada, ainda mais quando se trata de emoções mais ou menos fortes,fiz minha opção, deixo o sentir em algum lugar perdido para que não possa achado, e assim a paz me acalenta com mãos hora quentes e hora frias.
É estranho assim sentir, de palavras ditas antes,sem gosto, aroma ou forma e hoje não dizem mais nada, sim é engraçado e estranho, se tornaram fantasmas ululantes sem voz, como se nunca tivesse dito? É, talvez mesmo nunca tenha dito, apenas minha boca articulou, coisas levadas pelo vento.
Disse tantas vezes eu te amo que hoje isso não diz muito a mim, evito mencioná-la por estar tão corrompida, violada e árida e cansativa para mim, é claro que encantos existem,mas quando algo se torna tão ordinário como salvar a profanidade daquilo que se tornou profano?Existe resgate da simbologia?A salvaguarda de mitos e coisas tão diáfanas que se mesclaram a coisas banais. Você sabe, quase tudo em nossa vida com o perpassar do tempo se converte em coisas de useiro comum, e por nossa insistente ausência, recuperar este sentido significa perde-lo totalmente, ironia e contraponto humano.Isso parece um prazer masoquista, deleitar-se na própria dor por não entender o sentido real e profundo da vida.
Tudo poderia ser mais simples, mas simplicidade em excesso não satisfaz nossas vaporosas necessidades.
Portanto me calo, não digo nada mais.

Paz e luz em teu caminho.
Fabiano
.

terça-feira, julho 15, 2008


Tocando em Frente
Renato Teixeira
Composição: Almir Sater e Renato Teixeira

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

Hoje me sinto mais forte,
Mais feliz, quem sabe,
Eu só levo a certeza
De que muito pouco sei,

Ou nada sei
Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas

E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder seguir

É preciso chuva para florir
Sinto que seguir a vida
Seja simplesmente
Conhecer a marcha

E ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias

Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou
Cada um de nós compõe
A sua própria história

E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
De ser feliz
Todo mundo ama um dia,

Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora.

É claro que a vida não é fácil, é um desafio constante, estar vivo e mesmo diante dos sofrimentos normais do existir, com todas as ferias na epiderme da alma,as marcas do caminho,é preciso saber e ter no coração estrelas que iluminam a vida quanto tudo mais conspira contra, cultive bem as tuas estrelas, com carinho com amor a você mesmo, e vamos em frente sempre, vamos em frente sempre.
Paz e luz em teu caminho.

Correto e o sensato, o cacete!


“...desde então me incomodam muito estas duas palavras:correto e sensato.São falsas e pedantes.Servem para ocultar e mentir.Tudo e incorreto e insensato.Toda historia, toda a vida, todas as épocas foram incorretas e insensatas.Nós mesmos.Cada um de nós, por natureza, é incorreto e insensato, só que nos reprimimos para voltar para o cercado como boas ovelhas, e aplicamos rédeas e mordaças em nós mesmos.
Levei essa vida dupla durante muito tempo:correto e sensato, no trabalho.Incorreto e insensato no cortiço com Miriam.Ainda não me sentia livre, mas já estava no rumo.A verdade é que não me interessa nada que seja linear, reto.Não me interessa coisa nenhuma que progrida limpidamente de um ponto a outro, e que se saiba perfeitamente que tal linha começou aqui e terminou ali!

Não.
Nunca se deve pretender ser correto e sensato e levar uma vida linear e exata.A vida é muito imprevisível.´”

Pedro Juan Gutierrez – Trilogia Suja de Havana

segunda-feira, julho 14, 2008


Lutador
A guerra do Sabonete

A quem pense que eu gosto de uma briga, ainda mais aqueles que não cultivam o meu melhor lado, sou uma cimitarra carinhosa, mas por questões de gosto algumas pessoas preferem o meu pior lado, nada posso fazer é questão de escolha, sinceramente eu não me importo se pensam que sou um canalha, cafajeste,insensível e os cambal,já sai fora do aquário a muito tempo e minha individualidade e quase absoluta( melhor não dizer absoluta, agente não sabe de quem pode precisar...as vezes é preciso abraçar os inimigos com sorriso brilhante, fazendo uma emulação quase verdadeira...).
Sei que vou acabar tendo um dissabor depois deste texto, que fazer, embora triste o cômico original existe e ele é inescapável a minha pena digital,os prazeres são sempre a nosso custo e algo sempre é imolado para a alegria de uns a agonia de outros, sempre assim o pêndulo existencial alegria e dureza do existir!
Meu cunhado é um tipo muito comum, magro, mais ou menos negro um cabelinho quase sempre molhado e relativamente enrolado, como disse é um tipo comum, e de uma personalidade sem altos e baixos como a grande maioria das pessoas, um sabor insosso evitando linhas extremas que embora perigosas as vezes são traços de quem sabe exatamente o que quer e porque quer, não, não, ele não tem essa paixão, raiva ou fúria do existir, mesmo em seu esporte que de alguma forma precisa de um incentivo a mais no sentido de buscar o primitivo,ele é lutador de vale tudo, um lutador não deve ter por filosofia, as coisas mais suaves da vida, sua personalidade deve ser dura como seu abdômen para agüentar os trancos da batalha!
Deve ser concentrado e ter disposição para machucar-se, todo excelente lutador se machuca porque sabe que o sacrifício é preciso para se conseguir alguma graduação e respeito neste mundinho! Mas não, ele não é nada disso.
Ele é um lutador aspirante, colecionador de um cartel de derrotas e até onde lembro uma única vitoria, uma vitoria não muito meritória porque o pobre rapaz esmurrado entre vibrações,era pior que ele, mais fraco e mais baixo, puxa vida para um lutador isso é terrível, aí a coisa beira quase uma insanidade, tenho pena do rapaz esmurrado, mas que fazer as vezes o preço da burrice as vezes é o sangue, espero que ele tenha algo na cabeça e tenha desistido desta inglória vida, sim, não estamos no Pride ou no UFC com inicio glorioso, faz nos parecer alem e muito alem do mundo, conforme os japoneses gostam de transformar os guerreiros modernos em semi-deuses, (da grana que seja...).
Mas nosso lutador apesar dos pequenos problema com a luta,é um cara legal, mas o que leva aqui a escrever é outro motivo, é quase um detalhe cômico, contraponto do nosso lutador,é o banho(ato o efeito de banhar-se),o nosso rapaz não toma banho em menos de uma hora, consumindo geralmente um sabonete inteiro(em um único banho), frascos e frascos de shampoo e claro a paciência de todos vitimas da sua demora, me questiono profundamente que tanta sujeira tem nosso guerreiro no corpo?
Com um banho deste até a alma sai lavada, além do mais tenho para mim que uma sujeira que não sai em 10 minutos com toda certeza não sairá mais, claro que em função da sua demora no banho já houveram especulações diversas, que faria ele lá solitário devorando sabonetes? Existe um mistério... hum...que fará ele?
Que luta se travaria entre os vapores do chuveiro e os frascos de creme rinse e shampoo?
Nunca saberemos, e eu acho ate que prefiro ficar no mistério mesmo, você sabe como é,existem coisas que não queremos ou precisamos saber, isso mantém a gloria e o respeito pelo alheio,por vezes meu distanciamento é a única salvação que me permite respeitar alguém, conhecer detalhes sórdidos é quase uma fatalidade, repleta de coisas bizarras e alguns aromas desagradáveis.
A muito tempo vi o filme Os Bons Companheiros(Goodfellas - Marin Scorcese ), excelente obra, tem uma cena para mim antológica, uma senhora e um senhor sentados em uma sala, ao fundo a televisão e um cachorro lambendo literalmente o rabo! O cachorro ali ficou trinta minutos fazendo isso. Até o que o senhor dispara:
-Minha velha, esse cachorro não vai parar de lamber o rabo? Porque seja lá o que for que estava ali já saiu á muito tempo, e se não saiu, nunca mais vai sair dali !!

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.
Entrada do Wanderlei Silva no Pride:
Abertura do Pride GP no Japão:
Melhores momentos do Pride: