Pesquisar este blog

quarta-feira, outubro 29, 2014

Momento Mestre


- Momento Mestre -

Hoje no momento mestre, trazemos da Série Mandrake uma sábia colocação. Por muitos momentos é preciso resolver a vida a la Mandrake... 
com vocês o Mestre Mandrake:


Baby diz para Mandrake:
Você já amou alguém na vida? Você é pedra, é um gelo, vai morrer sem amar ninguém, que nem o super homem ...

Mandrake responde:

-Eu amo sete mulheres, sete, conta de mentiroso, sete mulheres, entre elas tem uma negra, uma japonesa e etc..

Baby diz:

-Não acredito.
Mandrake responde:
-Não acredita em que, na negra ou na japonesa?

Baby:

-Não acredito que você consiga amar alguém.

Mandrake:
Amo, amo qualquer mulher que vai pra cama comigo, enquanto dura o amor, eu amo feito louco.

Mandrake: O Rio de Janeiro não é o que se vê do Pão de Açúcar.



domingo, outubro 26, 2014

TRECHO SOLTO...

TRECHO SOLTO...

Quem é Sbórnia? Um sujeito que gosta de ouvir Neil Young e Cat Stevens. Que gosta de tomar cerveja barata e joga dados. Que gosta de louras e morenas um pouco, pero no mucho. 

Que assiste Ana Maria Braga comendo berinjela empanada. Sbórnia é o ultimo guerreiro. Ele chorou quando tiraram do ar o programa Azulo Hotel do Paulão Rock and Roll.

Gosta de Fanta Uva e dadinhos. Tem uma tatuagem no pescoço. Ele diz que é uma cobra. Não parece em todo o caso... Diz que tomou cerveja no Cervantes com o Fausto Fawcett. Eu não tenho porque duvidar de Sbórnia. Diz que dançou com James Brown quando ele veio ao Brasil . Sempre rio um pouco quando ele fala isso. Ele então faz evoluções funk pela sala.

Eu acho ainda mais engraçado. Sbórnia se emociona ouvindo Ratos de Porão. Bate punheta gritando pela Scheila Mello.As vezes, quando bebe, confessa que ainda vai acabar mandando tudo a merda, e ai vai pros Estados Unidos casar com a Rosie Perez e trabalhar como figurante nos filmes do Jim Jarmusch.

Acho que Sbórnia vai se dar bem. As vezes ele passa horas calado, afagando a cabeça do cachorro e olhando para algum lugar indefinido. Eu nunca pergunto o que ele está pensando. Acho qye as pessoas têm segredos. Ah, o nome do seu cachorro é Jack Palance.

E não adianta chama-lo de Jack . Ele não atende. É necessário chama-lo assim: Jack Palance”.


Extraído da obra – Bagana na Chuva

Autor – Mário Bortolotto.

Perola do Dia:



domingo, outubro 19, 2014

Poesia Fotográfica



Amar é?



Amar é?

Que porra é essa?
Não vem falar de amorzinho comigo...
Porque eu sinceramente não acredito nisso
Nem mimimi de eternidade e os caralho
Isso funciona para quando a morte está próxima
Salvo-conduto para o Criador
Enquanto tudo funcionar no corpo
Quando o suor ainda aflorar
Quando paus subirem
Bucetas molharem...

Quando o cheiro forte das secreções intimas
Incendiarem o espirito
Esse será o amor possível e sem retoques
O velho já disse: amamos o que precisamos.
Amor rasgado repleto de intensidade
Que dura horas ou minutos
Sem promessas do depois
É como sempre digo

O que fode tudo, é o depois sabe?
Amanhã me amaras?
E tudo será lindo?
Porque?
Não... não á garantias alguma disso
Eu mudo
Você muda
A vida muda
E todos mudos
E o que o silencio cala
O tempo sepulta

A eternidade é cansativa...eu acho
Como a previsibilidade do conhecimento
Portanto
Se não for me dar prazer
Não me dê dissabor.
Meu coração bate na glande.


Luís Fabiano.

sábado, outubro 18, 2014

Perola do dia:



Fio da Navalha – Diálogos




Fio da Navalha – Diálogos

Uma semana difícil, com tantas emoções contraditórias, um mar de ondas coisas más e coisas boas...e eu ali, o grande filho da puta no meio, domando o vento e tentando comer algum cu...
Estou em casa e o telefone celular toca...é madrugada, o celular acende como uma chama no quarto escuro:

-Aloooooo...
-Fabiano? Me diz uma coisa Fabiano...porque tu não me convidou para festa hein ??
-Mas que merda...quem é? Que festa?
-Tais te fazendo né?
-Me fazendo de que?
-Tu sabes quem é... estas te fazendo...
-Mas que merda... isso é um crime viu...acordar um tigre de madrugada...
-Cara tu és um merda...
-Qual a novidade? Fica tranquila...nada mudara ao dizer isso...
-Mas que merda cara... da minha buceta tu gostas né?
-Depende do dia...
-Tu não presta mesmo...
-Certo e ai?
-E ai nada...to de cara contigo...é isso...
-Foda-se, te masturba um pouco, trepa com alguém... mas apenas não fode minha paciência...que já ta no limite, essa semana foi foda.
-Faz o seguinte idiota...nunca mais ...viu nunca mais...me liga nem fala comigo...
-Ok, isso vai ser fácil.

O telefone explode em uma porrada violenta...e eu continuo na mesma. É terrível isso, ela sabe quem sou eu, e eu nem faço a mínima ideia quem seja.



Luís Fabiano


domingo, outubro 12, 2014

Final - Boneca de Pano, Bar do Sujeira, fodas rasgada e trapaça




Boneca de Pano, Bar do Sujeira, fodas rasgada e trapaças

Eis a minha situação...me meti em uma confusão dos diabos, uma briga que não era minha, uma transex apaixonada ( tudo bem, ela é gostosa...) e um cara sangrando no banco de detrás... A minha frente a noite com céu negro, sem estrelas a adrena está a mil, tenho vontade que o Olhos de Gato decole para alto...e vamos todos em direção rápida possível para um final...feliz? Vai saber. Você gosta de final feliz?

Rebeca Sharon tinha a mão sobre a minha perna...e dizia: Vai da tudo certo Fabiano...fica tranquilo....

-Não sei Rebeca...eu nunca faço planos, nem para dar certo e nem par dar errado...sou um merda de um taoista, construo um destino sozinho...sem saber de nada...sou um jogador de dados e tudo que é preciso é sorte
-Então tu és sortudo cara...tu és...

Vou subindo a Barroso nas proximidades do porto...uma zona inóspita àquela hora da manhã então como uma aparição, avisto um cara no meio da rua, que vestia branco (o que parecia) aquele cara ali...bem no meio olhava o carro se aproximando. Pensei comigo: porra deve ser o cara, o vingado querendo terminar o serviço no cara que sangrava lentamente no carro?

Eis as opções que a vida te dá...nem sempre são as melhores, é verdade, entre matar ou morrer que você faz? Eu tinha um carro, uma boa velocidade...e ele? Já era... tudo isso acontece em um lapso de segundo...eu acelero, o cara que se foda... então a medida que o carro se aproxima ele começa a sacudir as mãos para o alto...e aquela cara agora não era estranha... mas que merda...que merda...que merda.... é o...Sebastian?

Puta que pariu...era o desgraçado...eu seguro o carro...travo as rodas, a puta da Sharon grita, chora faz fiasco...mas verdade que parei a uns quinze centímetros de Sebastian que sorria com todos os dentes... com a mesma cara deslavada de sempre, um fantasma alucinado cavalgando a madrugada, surgindo em momentos totalmente inesperados, Sebastian é um susto, uma surpresa e encrenca certa.

Fazia tempo que eu não o via...ele não estava mais na cidade e nem notícias mandara...
Desço do carro Rebeca esta atônita...o cara que sangra resmungava que queria morrer...uma morte rápida por favor... Sebastian de um cigarro na conto da boca, sorria então diz:

-E então Fabiano...saudade de mim?
-Sebastian tu és um verdadeiro filho da puta...mas eu não consigo ficar de cara contigo...mas que merda cara...e isso é jeito de aparecer?
-Sebastian aparece assim cara...eu posso ser a resposta para tuas preces...ou o aviso do diabo que tudo vai dar certo...
-Era o que faltava para meu dia...Sebastian...eu por agora to meio com problemas...
-O cara sangrando no banco detrás?
-Exatamente...mas cara como tu sabia?
-Esquece... vamos na casa da Ritinha...ta ligado?
-Não...mas o que é a Ritinha?
-Ela tem um ap aqui perto...a gente sai da rua, ela cuida do cara furado a faca... e do nada ainda podemos virar a noite sabes como é? Comemos a Ritinha e a moça ai contigo...uma suruba, uma festinha e todos vão ser felizes...

A barroso, a luz dos postes amareladas, as sarjetas sujas, aquele cara de branco no meio da rua, rindo como um espirito e oferecendo soluções fáceis... que eu tinha a perder? Nada...nada mesmo. Eis a minha vida...sou um fato inesperado...porque isso é assim?

Sebastian sobre no olhos de gato...e rumamos para casa de Ritinha. Bem Ritinha não era necessariamente uma Ritinha... chegamos ao Ap dela, ela nos recepciona na porta, parece insana...e maravilhosa ao mesmo tempo, era uma Rita, uma mulher grande, alta, cabelos ruivos, olhos cinzelados, uma larga boca vermelha lasciva e entendia de medicina. Ela nos recebeu de boa, sem dizer nada contra...o Sebastian fez as honras:

-Ritinha mi love...tem esse cara ai furado de faca...e estes aqui são meus amigos pessoais... Fabiano e Rebeca Sharon...
-Prazer...
-É prazer mesmo – Fabiano e Rebeca...sejam bem-vindo ao meu humilde lar...

No sofá da sala, Ritinha da algo para o cara esfaqueado dormir...ele apaga feito uma vela... Então começo a observar onde estamos... um Ap com uma decoração pra la  de estranha, velas negras queimam... paredes com traços em outra língua, um buda de costas para porta, um cheiro de um perfume leve e constante... e Ritinha vestindo um vestido preto que parecia couro...muito curto expondo pernas fantásticas... eu já estava noutra... toco no meu pau e ele começa a se manifestar...sou muito sensível. Ritinha percebe...e enquanto costura o cara sorri com uma cara safada e diz:

-Deixa eu chupar depois?

Eu sorri. Sebastian tem nas mãos agora uma garrafa de uísque daqueles bons...vinte e quatro anos...e vai oferecendo a todos dizendo:

-Relaxem amigos...relaxem...essa noite todos estão salvos... o criador mandou a solução neste néctar aqui... esse injustiçado não vai morrer e todos seremos felizes...hoje....apenas hoje...o amanhã não temos.

Rebeca ao meu lado, estava tranquila agora...eu não sei agora o que sentia...então ela me beija e ficamos naquilo, eu era um trem querendo desacelerar...ficar de boa e o beijo dela cai bem.

Ritinha termina o serviço...e senta no colo de Sebastian...eu agora queria saber o que mais viria? Eles se beijam, e Sebastian ergue o vestido de Ritinha... e tudo parecia tão bom...Ritinha veste uma minúscula calcinha branca com rendas enfiadas na bunda o que torna tudo uma apoteose...

Rebeca Sharon me beija com mais intensidade...minhas mãos percorrem suas tetas de silicone, grande e duras feito um granito...e vou em direção a buceta de plástico... olho para Sebastian...suas mãos estão enfiadas nas buceta daquela mulher enorme...muitos pelos vaginais...e um clitóris proeminente... me sinto tonto...meio drogado talvez... a garrafa de uísque rola entre nossas mãos...entre os gemidos de Ritinha...e o cara apagado no sofá...parece morto... 

Rebeca Sharon não perde tempo e baixa minhas calças...e me chupa lentamente e com carinho... uma chupada que é diferente...ela não tem pressa...chupa engolindo o pau todo...e depois o suga da base até a cabeça...e então lambe a cabeça devagar...como saboreando uma fruta... boa esta menina...

Sebastian dá risada...com aquela mulher enorme sentada no seu pau... ela geme como uma égua no cio...e tudo isso parecia tão lindo. Me sinto salvo...estou bêbado,  quero fuder Rebeca...e ela pede que eu vá devagar...toda aquela putaria é o combustível para o amor... que amor o caralho... pra mim o amor so surge quando não mais se puder fuder...quando nem pau ou buceta forem mais uteis...ai sobra o espirito e consequentemente o amor...é isso.

Bebi mais e Rebeca Sharon fica de quatro...e sua buceta ficou perfeitinha, com lábios salientes e molhada... enfiei devagar...e Rebeca diz o que nãos e pode dizer:

-Fabiano...eu te amo...

Me sinto mal com isso... não gosto de amor...amor me causa asco ao menos a palavra... mas sigo enfiando nela...tudo vendo o cu piscar lindamente aberto... Ritinha esta gozando...um gozo molhado...lubrificando aquele ambiente todo, seu grelo tão duro via-se a uma boa distância...um grelo gigante Sebastian estava nas nuvens...

Por fim tudo acaba...gozamos todos...e me sinto cansado, bêbado e tonto. Apago naquele sofá... ao lado do cara ferido. Quando acordo é quase amanhecer... todos dormem...e babam no sofá, pelados e bêbedos.

Sinto que minha vida é um filme sem fim...Sebastian retornou e isso significa algo... por ora não sei a resposta de quase nada, não tenho mais vontade de estar entre aqueles devassos profissionais. Me levanto de fininho... todos roncam, eu iria ser o Fantasma da cena... eu tinha cabeça pesada com um milhão de perguntas que não seriam respondidas... mas fazer o que?

Foda-se Fabiano.
Saio para rua, olhos de gato está ali...eu preciso ir trabalhar...esta será uma manhã daquelas...não é? É...eu não sei.


Luís Fabiano.
 Fim.


Poesia Fotográfica



Phototextografia – 02


“Phototextografia” – 02

Foi ontem, numa travessia de rua ali próximo a avenida Bento. Ela estava sentada frente uma conhecida lancheira, uma criança, suja... devia ter uns sete ou oito anos, olhava os próprios pés imundos sem sapatos.

Transeuntes indiferentes acostumados a visão, criança desconhecida, parte da paisagem retorcida vivencial do asfalto e chuva... ela ergue a cabeça em algum momento, olhando o céu, seus olhos brilham a sombra de um dia chumbo... e dentro de mim algo dói. Como uma poesia em frangalhos... um barbante que começa a desfiar.

Terrível acostumar-se com as coisas...
Terrível achar tão normal e então cagar na indiferença trivial.

E talvez nos meus raros momentos de consciência eu lembro: no dia da criança nem todas as crianças serão contempladas, tem umas que este dia simplesmente não existe... agora abrace seu filho, neto ou sobrinho.

Luís Fabiano.


domingo, outubro 05, 2014

Vossa Excelência


Momento Boa Música
-Titãs - Vossa Excelência -

Esse é bom dia pra lembrar...



Não há distinção...