Pesquisar este blog

domingo, julho 16, 2017

Poesia Fotografica

A perfeição do que não se vê...



domingo, junho 04, 2017

Poesia Fotografica


A beleza irretocável do primitivo


domingo, maio 14, 2017

Tão melhores e tão piores


Existem coisas que mesmo boas são horríveis
Conheço tetas melhores que almas
Rabos melhores que almas
Cheiro de suor melhor que suas almas
A modorra vil da perdição melhores que suas almas
Tão horríveis
Tão melhores

Bucetas mais lindas que suas almas
Cheiro de dias menstruais melhores que suas almas
Tão melhores as vezes
Olho para ela e não vejo alma alguma
Seus olhos são vazados do senso comum
Esta fudida e misturada com seus pesadelos
Ainda bem que a casca lhe da dignidade
Tão piores

Pernas mais lindas que suas almas
Pés mais suaves que suas almas
E o mijo que sai dela mais digno que suas almas...
Tão melhores

Aquela pele perfumada melhores que suas almas
E mesmo cu é mais lindo que suas almas
Já olhou diretamente para um cu?
Bem de perto
Sentido o cheiro de um dia de trabalho?
É oque Mozart não escreveu

Sim... não posso esquecer o outro lado...
Existem paus melhores que suas almas
Mais rabos melhores que suas alma
Sua boca calada melhores que suas almas
Passos que se distanciam melhores que suas almas...

Merda que precisa ser assim
Mas eu realmente não me importo com isso
Uma vez que a casca

É capaz de salvar.

L.F

segunda-feira, maio 01, 2017

segunda-feira, abril 17, 2017

Livia a Cansativa

Lívia 
Parte 1


Adequar-se é por vezes um desafio.Sinceramente não gosto desta palavra, me faz sempre pensar que preciso me conter, me limitar, me segurar e sobretudo fingir para que tudo mantenha-se calmo. Adequar-se significa entrar nas normas...o que vai te tornar digamos assim mais ou menos normal? Felizmente sou daqueles que se "adequam" pouco...ou quase nada. Prefiro a desordem, prefiro viver como penso e sinto...e isso infelizmente  esbarrar contra o mundo...que posso fazer? Foda-se mundo, foda-se você também.

Foi nessas linhas de pensamento que esbarrei com  Lívia em minha vida. Livia tinha um certo traço de inocência meio suja. Gosto de gente assim. A verdade que apesar dos seus vinte e poucos anos...e pensava como uma criança, tinha um comportamento infantil, mas não se enganem ela não era doente. Era sua vida mesmo, seu pensar seu sentir a existência  e sobretudo seu caos. Gostava dela muito embora soubesse que essencialmente ela era ridícula, senso comum e sobretudo no sense. 

A conheci porque ela veio falar comigo. Eu trabalhava nas coisas de sempre, ela veio com aquele risinho  e naturalmente  acabou acordando o interesse que tenho por mulheres estranhas. Sou uma especie de Alice, quero sempre ver onde a toca do coelho me leva? Isso me coloca em situações que não planejo, como sempre nunca planejo coisa alguma, sou um improvisador e se for possível obter prazer disso sem que ocorra danos colaterais...eu agradeço a sei la quem.

Ficamos nos olhando um certo tempo e por mim ficaria nisso. Mas o problema é aventura. Então como era de se esperar, ela me contou sua vida. Casada com um idoso doente, tentou dar o golpe do bau mas parece que agora as coisas deram meio errado. Ela engravida dele e tem um filho com sérios problemas de saúde mental. 

Acho que era o que eu precisava para ficar excitado e interessado e escorregar pela gordura na toca do coelho. Me sentia o muro das lamentações, na versão anti-religiosa pois eu a conduziria pelo pior ou melhor, iria depender das virtudes dela. Nunca gostei de gente com muitas virtudes...muitas qualidades, isso sempre me soa falso, sempre tive mais facilidade de ver o filho da puta que existe em você, esse me parece mais real e mais próximo do mundo como o conhecemos.

Tudo bem, você não vai gostar de mim quase nunca,  olhando para meu rosto duvidaria da natureza real de meus pensamentos... mas pode ter certeza penso assim, mas estou bem disfarçado, você sabe como é... adequado. Volto depois e sigo falando dela.

segue.



Uma mosca


Gostou ? 
Esta me fez lembrar de Líria.

quinta-feira, janeiro 26, 2017

Poesia Fotográfica



Turista



Eu pago a passagem com o teu olhar
Me assento em tuas dobras mais frágeis
Espero o serviço de bordo
Que sempre vem...
A viagem segue simples como se não tivesse relevância
Vamos conhecendo
Como a ferrugem conhece o ferro
O câncer a célula
Impressionantemente tudo parece tão belo e fácil
Ambos acreditamos
Diversão
Prazeres
Risos a meia noite
Chego ao destino
O coração bate e respiramos
Mas já chegamos entende?
Chegamos
Chega.

L.F