Pesquisar este blog

sexta-feira, agosto 29, 2008


De Tigres e Samurais

Ruge feroz em mim aspiração de alma sedenta
E eu, errante solitário apenas em busca de minha paz sem lutas, sem dor,sem marcas guerras sem sangue...
Sou de silêncios, passos de espreita ,olhar rápido e força em quietude, em mim não existe crueldade sou apenas o que sou animal que tem fome e sede...
Comigo calada e imóvel katana sussurra sossego, gosta tanto da paz como da dor que causa, espada lamina de meu ser,fio de minhas emoções, minha salvaguarda vigilante.
Presa minha desfalece, a imolo pelo simples viver, sei que todos lentamente são imolados, um pouco hoje e outro tanto amanha pela vida, tua lei, minha lei.
Tenho meus códigos de honra inflexíveis como aço, sou rígido no sentir mas jamais deceparia uma flor autentica pois também gosto dos carinhos do vento.
A floresta nunca me é atroz, sua noite repleta de mistérios, as estrelas do norte, o que é fera em mim cessa de existir, os rugidos se calam e existe apenas comunhão das luzes que brilham longe no firmamento e nas sombras próximas de um Tigre.
Hoje eu feri de forma mortal, imperturbabilidade mergulha em mim, de antigos inimigos vencidos a verdade simples de ser apenas mais um, tantos pereceram em minhas mãos...mas...mas eles são tantos...
As manhãs nas florestas são lindas e doces, mas é preciso em contraparte vestir-me de hostilidade em meus espaços para manter minha perenidade e sutileza.
Dias se passaram e a guerra terminou, era o momento de retornar a mim...a minha terra de tanto longínqua de minha memória perdida, a espada é guardada e agora minha mais poderosa arma são minhas lagrimas, o abraço carinhoso do inefável...estou voltando.
Sempre fui amigo de todos os animais, até mesmo dos chacais, aprendi a rir com eles, apenas
aprendi, sempre admirei os que podiam voar ganhando o céu, mirava pequenas aves, grandes falcões e claro borboletas...sempre gostei de borboletas, símbolo de toda a transformação do que ainda vai ser...
Quando divisei com o olhar o lar querido, vi minha esposa e filhos em corriqueiras atividades e isso estufou meu peito, então ela ergueu a fronte como se procurasse algo no nada, e nossos olhares se tocaram e pude ver o sorriso de seus olhos...
O tempo passa, e vez por outra ando pela floresta negra e subo breve montanha e o reflexo do universo esta em meus olhos, lembro-me carinhosamente de todos que estão, que passam e que passaram por minha vida e em prece murmurada adormeço para sonhar...sou um simples Tigre.
Eu a abraço com ternura, beijo meus filhos com saudade e carinho, e retiro a lamina de minha proximidade, ficará visível e embainhada, por agora serena amiga de minha alma mãe de minha segurança, adormece e sonha também em paz, meu coração se enternece e silencia...descansa amiga...descansa...sou um Samurai.

Dentro de mim existe uma criança e um guerreiro, quando um adormece ou outro está acordado.
Carinhosamente a todos.
Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

quinta-feira, agosto 28, 2008


Jesus Doesn't Want Me For A Sunbeam (tradução)
Nirvana

Jesus Não Me Quer Como Mensageiro

Jesus Não Me Quer Como mensageiro
Os mensageiros nunca foram como eu

Não espere que eu chore
Por todas as razões que você teve para morrer
Nem nunca peça seu amor de mim

Não espere que eu chore
Não espere que eu minta
Não espere que eu morra por ti

Num mundo onde todos querem ser muito mais do que imaginam que são, creio que ter uma idéia de se não é nada e nem sequer importante é um começo, que pessoas apostam suas vidas em ti para que você não as decepcione sabendo que a falha é inerente ao ser humano,não espere flutuar em mundos feitos de ilusão, a ilusão é o cruel néctar que absorvemos para levar a nossa realidade.

Paz e luz em teu caminho.

Nirvana


"...como Gulliver nas mãos do gigante, o homem desse tempo sente-se transformado em inseto, e debate-se na tentativa de descrever o mundo já irreconhecível, retratando-o com as tintas da revolta, do medo, da perplexidade, do humor cáustico, da ironia e da indig­nação. Assim, mesmo quando a sua produção literária está funda­mentalmente comprometida com valores estéticos e místicos, o ar­tista da transição observa a desagregação ambiente, faz prognósticos apocalípticos e, ao contrário do Adão expulso do paraíso está­vel, revolta-se contra a flamejante espada do querubim que lhe im­pede a reentrada no Éden. Copiando em escala miserável a altivez de Prometeu e Lúcifer, ele tem consciência de que a vida sequer se caracteriza pela falta de sentido pois, em geral, parece fundamentar-se no desastre.
Trabalhando a ambígua mistura de apocalipse e utopia, o artista invoca opções variadas antes de tomar o rumo definitivo e, como nova edição de romântico, toma consciência da responsabilidade social e política da arte; às vezes faz as escolhas mais absurdas, como, por exemplo, o americano Ezra Pound, que se volta para a antiga civilização romana em busca de parâmetros éticos, quando, em sua época, o que vige é o execrável e moderno fascismo italiano. Outros escritores, como Joyce, Virginia Woolf e Faulkner mergulham em vaga nostalgia da harmoniosa “arete” grega, e muitos talentos menores caem em beletrismo estéril. Nesse tempo, porém, de modo geral, poetas e ficcionistas deixam-se fascinar pelo esdrúxulo e o desvio, cultivam o masoquismo, traduzem as pulsões mais premen­tes da sociedade e, freqüentemente, transformam-se em absurdos paladinos de verdades mortas, desenraizadas. Percebendo que a be­leza não se aloja no olhar do “beholder” nem no confuso mundo que observam, procuram-na nos meandros escondidos da consciência ou do inconsciente, no fundo da terra, na voragem do tempo recor­rente, nas primitivas virtudes humanas.


James Joyce - Retrado de um Artista quando jovem.


Verdades

Roubo do hoje a força
Fazendo nascer o amanhã.
Da janela acompanho com olhar
As nuvens do céu.
De novo a sombra sinistra
Tolda tristemente meus sonhos.

Tua imagem me acompanha
Por todos os lugares por onde ando.
E em todos os momentos
É a tua presença que espanta
As brumas do desconhecido.

Não faço perguntas.
Tenho medo das respostas que já sei.
Liberta do invólucro perecível
Devolverei ao pó de que fora feito.

Vivi meus três caminhos na terra.
Purgatório. Inferno. Céu.
Tudo de acordo com meus projetos,
Minhas atitudes,
Procurando não reincidir nos mesmos erros.

Agora - vago e espero
Entre ápodos e flagelos
O ressurgir da verdade.

RABINDRANATH TAGORE

quarta-feira, agosto 27, 2008



Esquiva, os jabs de existir.

Nem todas as historias da vida são vertidas pela dignidade,beleza e honestidade,posso afirmar que tirei muitas boas histórias e aprendizados de estranhas, bizarras e grotescas situações, coisas que acontecem o qual você se pergunta o que está fazendo ali? Como se o filme não fosse teu, e você é personagem macabro de esdrúxula pantomima .
Muitas vezes nem tentei responder o porque, simplesmente não valia a pena, mas se descobre boas coisas e estas terminam por enriquecer a vida, nossa vida, como sempre digo, sou agradecido pelas péssimas experiências que tive pois estas me tornaram fortalecido e quase inquebrantável, golpes existem mas certamente aprendi que é preciso ter animo o suficiente para reerguer-se quando se cai.
Assim o é, então de alguma forma todos fazemos o possível para tornar a existência o mais suportável possível, não penso que existir seja um fardo, longe disso, mas dizer que aqui é um mar de rosas também não seria verdade, é luta certa, a todo momento e cotidianamente, uma constante comprovação de que se é capaz, que se está a altura, que somos de alguma forma importantes ou desimportantes, me dei conta de disso tudo conversando com Saulo, velho conhecido, não posso classificar de amigo,não sou de muito amigos, mas bem conhecido,ele narrava em tom de quem canta o hino nacional sua aventura:
-Tenho saído por ai meu “compadre”, é mandei aquela vagabunda pro espaço(a ex esposa...), sabes como é, não queria nada com nada e não sou do tipo que em o amor faz morada(era um poeta do desespero...),mas aí fica aquele vazio que vaginas deixam, é então voltei a encarar a noite novamente, barzinhos,,bebidas, algumas festas fechadas essas coisas (Eu olhava para ele mais ou menos prevendo onde aquele papinho iria parar, sou bom nisso, dificilmente alguma coisa me surpreende, minha surpresa maior sou eu mesmo...).Saulo prosseguiu com seu papo de cunho profundo:
-Então Fabiano, agente vai comendo o que aparece, sem dar muita bola a escolha e refinamento, estes dias mesmo peguei uma gorda enorme, tinha uns trinta anos, muito feia, espinhas na cara, cabelo mal cuidado, um nariz de bruxa, mas as pernas e peitos, nossa valia o sacrifício, por vezes é preciso sacrificar algumas coisas em detrimento de outras e como sabes, não se pode ter tudo, fui apostando, é claro que uma bebida seria mais que necessário para dar asas ao meu sonho, é como fazer um caminho as avessas, do pesadelo da realidade ao sonho ilusório que a lubrificação etílica proporciona, as vezes salvação de uma vida. Cara para resumir, bebemos, bebemos, bebemos...e quando olhei para ela novamente ela já não me parecia tão feia, sorri para mim, mas ela pensara que era para ela, a magia estava começando a funcionar, há..o amor, nos beijamos e tudo aconteceu, em seguida eu estava navegando em um mar de gelatina gordurosa em uma tentativa quase frenética de conseguir manter-me penetrado na vagina inundada,molhada demais de nem seio que..., (Saulo ria muito...)aquilo não parecia uma transa era uma briga, um atentado ao pudor na escuridão do meu quarto, penso que se eu e ela não estivéssemos bêbados com toda certeza teríamos vergonha, por fim, depois de uma hora de pleno sufoco o orgasmo,acendemos a luz e acho que tive literalmente meu momento de iluminação,e quis sair correndo...a magia durara até o orgasmo e nem um minuto a mais(disse isso as gargalhadas, definitivamente eu sabia que ele próprio entendia o quão havia descido, não julgo ninguém mas sempre sabemos quando alguém esta infeliz, existe ênfase demais em estados normais,conheço risadas e aquela era um disfarce que ecoava em um vazio)
O assunto não mais rendia mais nada, olhei para o Saulo e disse:
-Bem preciso ir, tenho algumas coisas a fazer, boa sorte para ti.
Meu olhar me traí as vezes, ele olhou para mim...silencio, e fui me afastando, logicamente que compreendo este jogo existencial que por vezes nos obriga a mascarar a realidade, a fazer de conta que tudo esta bem,a alimentar um mar de ilusões, somos bons nisso, disfarçamos o que é possível e acreditamos com todas as veras da alma, e isso já nos leva a entender que tudo está bem, eu procuro desconstruir isso sempre, não crio expectativas e aceito carinhosamente a vida fazendo do momento a eternidade,que torna nossos atos grandiosos, o momento que se tem é o presente, é preciso estar com todo o espírito, com toda emoção, com toda intensidade nele para o dignificar, do contrario é só mais um tempo perdido de tanto.
Por momento a vida se torna tão dura que é preciso recorrer ao que possa abstrair de tudo
.

Paz e luz tem teu caminho.
Fabiano.

"Se não é vantajoso, nunca envie suas tropas;se não lhe rende ganhos,nunca utilize seus homens ;se não é uma situação perigosa;nunca lute uma batalha precipitada."

Sun Tzu.

terça-feira, agosto 26, 2008



Prazeres de corromper-se...
Não falo de política ou assemelhados, falo essencialmente da criatura humana.

Usemos a imaginação um breve instante...
Em um belo dia em um amanhecer fora de um tempo qualquer, eu,você e toda a humanidade decidimos que faríamos tudo certinho,que seriamos pessoas integras, repleta de uma moral ilibada e totalmente inexorável não importando o que ocorresse, neste mesmo dia também decidimos que jamais burlaríamos nenhuma lei, que seriamos poços de honestidade e ética, invendáveis, incorruptíveis, que também mais pensaríamos no próximo que em nós mesmos,que nunca em nenhum momento da vida seriamos injustos, que sempre e de forma absoluta assumiríamos tudo que nos compete, jamais tentando fazer ou buscar uma maneira que burlar responsabilidades nossas, neste mundo impossível e imaginário, advogados seriam totalmente honestos fazendo que o cliente culpado assumisse o crime e não tentaria tira-lo, atenuá-lo, seria digamos justo apenas.
As pessoas de todas as profissões seriam sempre verdadeiras, os políticos incorruptíveis, e ninguém vender-se-ia por quantia alguma, maridos e esposas jamais trairiam nem sequer em pensamento, tudo que existiria seria verdade, nenhuma propaganda seria enganosa ou mentirosa, todas as noticias seriam a realidade no exato tamanho da realidade, os concursos não teriam apadrinhamentos ou chamado QI(quem indica...)todas as coisas seriam uma extensão da realidade e nada mais,vou mais, tudo que existiria é verdade, vou mais longe, mesmo em pensamento seriamos verdadeiros, diríamos exatamente o pensamos de todas as pessoas que nos cercam, fosse o que fosse,(a corrupção começa no pensar,no ocultar ...)não mais teríamos promiscuidade, as pessoas não transariam mais, fariam amor apenas, suavemente em lençóis alvos como um papai e mamãe eterno de gozo morno e sem graça, nada de corrupção do corpo, nada de parafilias de toda sorte, nada de sodomia, pois prazeres mais brutais não combinam com pessoas tão corretas, esse é um mundo imaginário, tão bizarro quando o mundo que vivemos porem mais entediante, o mundo dos broxas, sem gosto e ao qual certamente eu não me adaptaria jamais!
Já tenho nojo e enfado da grande maioria das pessoas que conheço, em um mundo assim tão perfeito eu sucumbiria pela minha bílis e tédio, essa é verdade, nem eu e tão pouco você gostaríamos de viver em um mundo que não tivesse injustiça para nos demarcar as fronteiras da justiça, em um mundo sem noite apenas tênue de luz baça do entardecer, impossível, intolerável.
Nosso mundo atual dualista precisa de contrapontos, para determinar o ponto de equilíbrio e essa verdade nos leva a adoração daquilo que perverte, não posso imaginar um mundo bem comportado demais (as pessoas se comportam aparentemente de forma linear para demonstrarem sua normalidade no mundo em que vivemos...) e todos felizes para sempre? É claro que não,mas a idéia é renitente.
Embora busquemos de forma inconsciente este mundo ideal, mas o que nos excita e faz viver neste mundo mesquinho é justamente aquilo que perverte,corrompe e acicata paixões emoções, os idéias até podem ser nobres, mas a sua subjacência é depravada, felizmente, do contrário só teríamos santos a nossa volta transformando a santidade em coisa ignóbil e patética! Não quero ser santo, quero apenas autenticidade, crua, desgarrada, boa, cruel seja o que for,como for, poderíamos chamar isso de liberdade?
Não quero enfado, monotonia, quero vida, não quero aparentar sanidade,deixe-me ser insano, serei o que tiver que ser, hora animal, brutal, hora alado,hora sutil e todos estes estados serão verdadeiros, você se imagina satisfeito vivendo uma vida sem gosto? Se disser que sim, experimente por um dia apenas sequer, ser incorruptível,totalmente verdadeiro e honesto para tudo e todos a tua volta, e perceberás na tua pele macerada e nas emoções contrastantes que nosso mundo hoje é feito, talhado e inspira idéias nobres, em essências ainda poluídas, logo para que sejamos verdadeiros é preciso ser mais ou menos limpinho(não limpo demais porque isto inspira falsidade,seja levemente sujo...), para que se veja a justiça é preciso ser injusto tantas vezes, para que se tenha tesão em abundancia, é preciso gostar do cheiro órgãos mijados e suados mesmo depois de longo dia trabalho, para que seja verdadeiro é preciso esconder algumas coisas, coisas que passaram,que ficaram, coisas que fomos, e deixar a amostra apenas o que for necessário, para que se tenha emoções nobres é preciso deixar de pensar em detalhe e volitar nas generalidades mais pacíficas e brandas, para se apreciar as pessoas que gostamos, é preciso fazer uma média das suas qualidades, subtrair seus defeitos e se o resultado for suficientemente positivo devemos somar ao que nós somos, do contrário devemos excluir,descartar de nossa convivência seja quem for,pois nada justifica compactuar com aquilo que não representa nada para nós!
Você ainda quer viver no mundo ideal?
Acha o mundo ideal sedutor?
Quantas vezes gozarias neste mundo imaginário?
Nosso prazer mais profundo advém de tudo aquilo que adulteramos, para que satisfaça nosso paladar epicurista e por hora distorcido por nossos desvalores, quem olharia para uma mulher de calçola, e sentiria desejos famintos por ela?
Sedução dos sentidos,deformação daquilo que é simples natural. Não queria me estender mais,mas você já notou que todas as coisas do mundo são feitas no intuito de seduzir os sentidos, como se tudo falasse e assim dissesse: Vem...vem...vem me comer...eu te darei prazer sem fim...infinito...venha.
Eu vou.

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.



"Corrupção é afrodisíaco, caso contrário, jamais Adão e Eva teriam cido expulsos do paraíso."

Luis Fabiano.

segunda-feira, agosto 25, 2008


Deus e o Diabo, amigos inseparáveis...

A idéia nunca é polemizar nada, mas infalivelmente a pena digital por vezes se rebela a minha vontade e posso dizer que em determinado ponto ela tem vida própria, diriam os mais apressados que recebo sopros intuitivos hora das altas e hora das baixas esferas das vida, tenho para mim que o negocio é não criar inimizades, afinal quem sabe onde vamos parar após o decesso, o passamento?Enquanto nosso corpo comerá grama pela raiz,talvez nossa alma entre em confabulações em defesa própria, justificando-se, crimes da consciência?

Confesso que o bom senso diz para respeitarmos as pessoas, as religiões e tudo mais que for politicamente certinho, fodam-se os certinhos...de minha parte opto pelo que for verdadeiro sendo ou não certinho, mas raramente estamos dispostos a ser tão verdadeiros assim, pois o preço da verdade é alto, então ficamos nos mais obvio e esperado, fingimos que tudo está bem e vivemos na realidade paralela, onde todos são de alguma forma felizes!

Pensava isso no chuveiro enquanto lavava meu umbigo tirando estranhos e mal cheirosos elementos de lá, sem duvida o próprio umbigo é lugar misterioso. Lembrava-me das religiões do mundo, todas elas interessadas em salvar o homem da danação eterna, claro não em todas a danação eterna existe, mas existe um longo período de punição onde o homem deve purgar seus pecadilhos, seus erros contra Deus, suas ofensas e sua indisciplina diante de DELE. Eu lamento a confusão de tudo isso, gafe proposital do ato falho humano, pois se o homem desejar um colóquio com o Divino deverá passar ilibado,“casto” por esta vida terráquea, sendo verdadeiro, honesto, justo, equilibrado emocional e fisicamente e ser absolutamente bom com o seu semelhante? Ironia, penso eu, quem consegue isso?Quem amanhece com tal preocupação na cabeça.

Neste caso o Divino criou um jogo para literalmente para divertir-se e nos ver perder...enquanto isso ficaremos sambando nos caldeirões, em o Demônio vai contabilizando, logicamente que estou sendo grosseiro, afinal tais conceitos não é assim brutais? Sempre quando as pessoas pensam em religião estão a procura de consolo, ajuda,cura ou então na ânsia de livrar a sua pobre alma de regiões tristes de sofrimento, as religiões tem um pacto profundo com o mal, pois sem o mal elas simplesmente perdem o sentido de existir, e talvez isso seja o mais triste, neste aspecto perde-se o “religare“ tradução literal de religião.

E todas as religiões são unânimes em alertar sobre tais locais de sofrimento, todas,tem nomes dos mais diversos, inferno, umbral, zona das sombras, mármore do inferno, caldeirão danação eterna e etc...este é o pacto religioso o medo gerado pela punição Dele.

Meu umbigo ainda não estava devidamente limpo ,pensava ainda, existem tantas coisas lindas a serem de mostradas, apregoadas, inspiradas, coisas capazes de conduzir a pessoa de fé por caminhos mais serenos e mais verdadeiros, pois quando nos modificamos por medo ou qualquer pressão externa de aspecto ditatorial e imposição, qual o mérito de nossa conscientizarão? Tornar-se passivo de um estupro e aceita-lo com tranqüilidade?

É brutal.Então a partir disso criamos uma personalidade paralela que tem alguma “fé”, cumpre alguns ritos na ânsia que nesta barganha com o Senhor tudo ficará bem quando nossa alma desprendida encontrar-se com Criador, será bastarão atitudes externas falsas, para tornar atitudes rituais em atos sacros capazes de guindar o ser humano a condição angelical? Não.Porque quando nossa vida esta bem, em paz e tranqüila não lembramos de nada que nos religue a Ele e nos afaste daquele outro?

Como Teosofista afirmo com toda a serenidade da alma que nesta apreciação, Deus e o Diabo são amigos, aliás muito amigos, nós os fazemos inimigos pela nossa estreita apreciação, por nosso profundo desequilíbrio em viver com um e expulsar o outro, quando o correto é saber negociar com ambos(considerando-os como estados de nossa consciência), digo mais, não existe templos de dor em mundos paralelos, eles são estados de alma, tanto céu quanto inferno são libertação de pensamento e emoção, com prisão feitas de culpa,rancor e todos os sentimentos deletérios advindos de nosso profundo egoísmo, orgulho e vaidade. Possivelmente existam muitas almas assim que se aglutinam em recantos do mundo, afinal a afinidade é uma lei da física e vale tanto para o mundo grosseiro como para mundos subjetivos e mais refinados.

Não pense que é tão simples, você assume uma religião, cumpre algumas coisas de forma obrigatória e tudo ficará resolvido, em verdade amigo meu, pouco importa que religião você pertença, nenhuma é mais nobre que a outra, o que irá realmente pesar são atos, atitudes perante a si e a vida,nada mais. Não se iluda, se foi bonzinho de mentirinha não existe nenhum outro lugar do mundo onde esteja gravado isso a não ser a tua consciência, ali começam os maiores prazeres do mundo e as agonias sem fim, ali o sol abre-se mostrando-nos as belezas da existência, e ali um abismo sem fim é cavado pelas tuas próprias mãos, tudo em ti,aqui e neste instante.

O maior ato religioso que alguém pode fazer é descobrir-se, fazer o esforço de tentar ver-se despido de todas as farsas pessoais, de todas as emoções emuladas, para alem de toda culpa, quando se chega a este templo, sabe-se que a maturidade do entendimento é premiada pelo seu desvelar, céu amigo meu, é pode ver-se o mais nitidamente possível, e inferno é ver tudo aquilo que tu não és, a suprema ilusão do si mesmo.

Não tente sacrificar um ou outro, saiba que onde um termina o outro se inicia, que um acerto é a sombra de um novo erro, até nos vejamos ao meio dia de nossa alma.

Paz e luz em teu caminho.

Fabiano.


A voz do Silêncio.


“Que dirá:
Se tua alma sorri ao banhar-se na luz solar de tua Vida;se tua alma canta dentro de sua crisálida de carne;se a tua alma chora dentro do seu castelo de ilusões; se tua alma luta para romper o fio de prata que a liga ao Mestre
-sabe,ó discípulo, que tua alma é da terra
Quando ao tumulto do Mundo tua alma desabrochando ,dá ouvidos;quando á rugente voz da grande ilusão tua alma responde;quando,medrosa ante a visão das cálidas lágrimas da dor e aturdida pelos gritos do desespero, tua alma se recolhe como tímida tartaruga na carapaça do egocentrismo - sabe o discípulo,que do seu Deus silencioso tua alma é um sacrário indigno.
Quando,mais forte já, tua alma se desliza fora de seu seguro retiro,e , desprendendo-se estende seu fio de prata e projeta-se adiante.quando contempla a sua imagem na ondas do espaço e murmura:”Isto sou eu” – declara o Discipulo que tua alma está presa nas teias da ilusão.
Nõa desejes nada.Não te amofines contra nada, nem contra as imutáveis leis da vida.Mas luta apenas só contra o pessoal,o efêmero e o perecível.

A voz do Silencio - H.P.B

sexta-feira, agosto 22, 2008



Da série,
De toda a bizarrice que eu gosto...

Ciúme Cego !

Dizem que tudo na vida é uma questão de princípios, hora bons hora maus, temos nossos momentos e dentro do que é possível fazemos o melhor (algumas vezes...), mas por momentos a vida literalmente nos prega peças, quando somos inteligentes conseguimos nos subtrair e sobreviver com dignidade sem que nosso orgulho ou vaidade fiquem muito arranhados, mas alguns transformam tais situações em traumas,patologias, bem aí é grana para psiquiatras e psicólogos, e de alguma forma as pessoas se transformam em cifras...(não vou entrar nisso,porque afinal a economia é assim..nosso mundo é assim...e as pessoas são assim...e eu não sou nada!!).
Tudo ia bem na vida de Osvaldo, era homem calmo, trabalhador e mais ou menos honesto como cada um de nós, tinha agora 28 anos e ainda não havia encontrado uma dona para seu frágil coração, gostava de mulheres, de várias mulheres mas nenhuma que valesse seu sentimento, pensamento e razão(diga-se de passagem os homens julgam exatamente assim o que valem as mulheres,nada complexo, em linguagem eufêmica, dividem-nas em putas e não putas, as não putas são minha mãe, irmã e esposa, as outras bem...), creio que Osvaldo queria manter sua vidinha assim, porem num dia destes que a vida está de bom humor ou irônica ele encontra-se com Mafalda, eles já vinham conversando na internet a algum tempo, a idéia inicial de Osvaldo era come-la de chutá-la o mais longe possível, porem o papo lhe foi cativando o pensamento e algumas coisas mudaram.
Ele sempre a convidava para um encontro mas ela relutava, pedia fotos e ela relutava,ele já estava concluindo que Mafalda era boa pessoa,mas devia ser horrorosa literalmente a Cuca,mas a insistência faz o mérito em alguns casos(conheço chatos insistentes que não vão a lugar algum...),e um dia ela marcou um encontro com ele em seu apartamento, assim foi, no dia e hora aprazado Osvaldo estava lá, limpinho, perfumado pronto para presente, tocou a campainha e abre a porta, havia uma semi obscuridade, ela o convida para entrar e sentar-se e diz:
-Osvaldo antes de mais nada quero lhe dizer algo e partir daí você decide se quer seguir me vendo.Sou cega!
Mafalda disse isso sem anestesia, e Osvaldo obtemperou e assimilou bem com certa tranqüilidade, e disse:
-Olha Mafalda, todos nós temos falhas, conheço gente que enxerga mas não vê, portanto se isso não é obstáculo para você, para mim tão pouco!
Disse, levantando-se para dar-lhe um abraço mais ou menos emocionado, Mafalda o recebe de braços abertos e eles iniciam uma relação, Adão e Eva encontravam-se no paraíso, mas nada como o tempo para vermos as fraturas, fragilidades e porque não dizer a obtusidade da razão de quem convive conosco, então surgem, cobras, maças, filhos incestuosos e etc...
Alguns meses depois eles já tinham uma boa vivencia, Mafalda e Osvaldo já eram íntimos, diga-se de passagem Osvaldo descobriu uma secreta fantasia sexual sua, que era transar com uma cega, aquilo era estranho excitante, agradável porque era revirava aqueles olhos baços e gritava muito, tendo orgasmos extremamente molhados...deixemos a intimidade de Osvaldo.
Um dia que foi o primeiro dia, Osvaldo disse que ia buscar uns temperos para fazer a comida, e terminou que demorou mais do que esperava, as fila do super estava grande essas coisas normais, quando chegou em caso Mafalda parecia um açucareiro olhando para porta, com as mãos na cintura dizia:
-Porque diabos você demorou tanto?Deixa eu cheirar você...
Aproximou-se de Osvaldo cheirando-o com uma perdigueira, por fim nada descobriu e deu-se por satisfeita, mas o habito tornou-se um vicio, ela o cheirava agora sempre que e ele voltava a procura de “aromas pecaminosos” como dizia, bem você imagina a situação de Osvaldo pessoas com deficiências visuais tem os outros sentidos mais aguçados por bondade da natureza, o nariz de Mafalda era de uma precisão cirúrgica se ele viesse a traí-la no escuro ainda sim ela saberia!
Osvaldo suportou as crises de Mafalda imaginando que ela fosse entender, confiar e essas coisas, mas quando alguém é inseguro a este ponto todo o ato sacro é pecado, porque a fragilidade está exposta demais, a pessoa vive rodeada de seus fantasmas,medos e com a impossibilidade de lidar com eles joga a culpa nos Osvaldos da vida, Mafalda não mudaria jamais.Então Osvaldo decidiu ter uma conversa dura com Mafalda, diria o que lhe incomodava e seja o que Deus quiser...
Mafalda senta-se tem um ar de superioridade vitimosa,Osvaldo diz:
-Mafa, você o estou com você e adoro estar junto de ti, porem ultimamente estou me sentindo chateado com suas insinuações e desconfianças, sou honesto com você, mas você não esta sendo legal comigo!(Osvaldo falava a verdade...),eu sei que você tem problemas, mas que eu posso fazer?Te digo que o medo de perder já demonstra que está perdido, e que pior que a tua cegueira visual com toda certeza é a tua obscuridade pessoal,Mafalda, é preciso ver-se o mais nitidamente possível, e neste momento você está duplamente cega!Talvez a pior das cegueiras!
Osvaldo falava em tom monótono, dizia coisas horríveis que sem seu coração se alterasse, era preciso ser assim as vezes, as pessoas não entendem berros e gritos, mas entendem quando se sabe futucar a alma com uma agulha fina, espete uma agulha em uma criança e ela certamente gritará,mas só faça isso se o objetivo for nobre, é preciso saber ser cruel de forma refinada.
Depois de um longo silencio que parecia uma eternidade, Mafalda começou a soluçar chorando,perdera aquele ar de superioridade ,sentia-se humilhada,Osvaldo observa-a com alguma impassibilidade,por fim aproximou-se dela e abraçou. As lagrimas de Mafalda dava a entender que ela talvez tivesse entendido alguma coisa, mas isso só tempo iria dizer, lagrimas são secreções dos olhos, mas será que o são da alma? Talvez naquele dia Mafalda tenha aberto os olhos da alma e reconhece-se a verdade ainda que estivesse em brumas.
O que menos se espera torna-se um desafio...não titubeei.

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

Ramatís

Como é de praxe, nestes períodos incômodos de eleição(um mal necessário...)sempre coloco algo para lembrar o quão é fácil julgar as pessoas(políticos ou não...) sem olhar para o próprio umbigo, me diga você já limpou bem o seu umbigo hoje??

PERGUNTA: — Por que os sistemas de governo, do nosso mundo, não correspondem integralmente às ansiedades dos povos governados?

A humanidade terrícola ainda é insatisfeita e turbulenta, dividida em agrupamentos nacionalistas adversos, doutrinas religiosas e credos separatistas, a defender interesses exclusivos em conflitos recíprocos.
Os povos da Terra são belicosos, egotistas, indisciplinados, ciumentos, avaros, racistas e orgulhosos, quando se trata de nações poderosas e dominantes; mas choramingam, lastimam-se quais vítimas injustiçadas, depois que se enfraquecem ou são humilhados nas guerras pelos adversários vitoriosos. As nações lembram as criaturas descontroladas em suas emoções, capazes de atingir os piores extremos de ambição e violência, quando fortes e independentes, mas que se acovardam, servilmente, ao tombarem dos seus Os povos gritam e protestam contra os seus dirigentes, tachando-os de políticos ambiciosos, corruptos ou venais, porque eles não lhes satisfazem integralmente as pretensões pessoais! Mas esquecem-se de que são governados por homens da mesma fonte humana, ou gerados no meio ambiente, os quais apenas refletem as idiossincrasias do todo que é governado.
Os eleitores elegem os seus dirigentes por sua livre e espontânea vontade; no entanto, grande parte desse quadro eleitoral avilta-se nos conchavos, perfídias e estratagemas censuráveis a fim de eleger o seu candidato simpático, ou que fez as melhores ilusórias promessas! Evidentemente, num clima de desonestidade, ambições e interesses de grupos, jamais surgirá um candidato isento de qualquer falha ou defeito, porque ele representa a síntese dos seus pedestais de vento! Os próprios eleitores!
Os mandatários são produtos do próprio meio que governam, proporcionando os frutos segundo o tipo de adubo do terreno onde se nutrem!

Extraído da obra Vida Humana e Espirito Imortal – Cap VII Problema dos Governos.


Apenas pincei uma única resposta de Ramatís da obra Vida Humana e Espírito Imortal, um livro excelente repleto de verdade enfática que poucas pessoas gostam, alias Ramatís é rejeitado pela grande maioria das pessoas que o considera “extremado demais”, bem no meu entender ele atende apenas ao normal e ao bom senso, como disse no preâmbulo, dificilmente nos questionamos onde vai, inicia ou se extende a nossa culpa, sendo sempre mais fácil justificar tudo por culpas alheias...apenas os outros são culpados...nós..bem...nós somos totalmente inocentes vacas sorridentes a espera que alguém nos tire do caos!!

Paz e luz em teu caminho.
Luís Fabiano

quinta-feira, agosto 21, 2008



O elemento misterioso

Os que um pouco me conhecem, sabem de meu desprezo por quase todos os esportes, que não tenho time algum e torço apenas pela seleção brasileira(quando ganha),respeito quem tem amor ao seu time do coração,mas para mim isso é indiferente, quase tudo passa batido sem que altere o ritmo do meu coração.
Talvez mesmo eu tenha alguma passionalidade(digo isso apenas para constar,porque essencialmente sou frio,quase não emocional se isto se fizer necessário...) assim sendo minha personalidade é tipicamente prática e se for preciso sacrificar alguma coisa que seja inadequada ao processo, não hesito um segundo.Hoje olhando o time feminino de futebol jogar me dei conta que existe de fato um elemento além do querer e da vontade humana, posso dizer que, embora poemas sejam belos, musicas inspirativas, momentos lúdicos em que a alma pode por assim dizer volitar além de toda obtusidade humana e ver-se despida e algo iluminada, sim todas estas coisas e outras tantas, porem,existe algo muito além da mesquinha vontade humana, algo sem nome...
Não basta falando eufemicamente, por a “alma” nas coisas, isso não é suficiente em nosso mundo, não bastam as mais belas palavras jogadas ao vento, não bastam toda a arte e beleza e alguma técnica para se chegar ao desiderato, não bastam...é preciso descobrir e metabolizar o misterioso elemento,(não tentarei explicar o que ele é, isso é um registro apenas de sua existência, somos testemunhas dele todos os dias...)
Posso afirmar que a vontade humana é quase nada, ela precisa esta conjuminada a inteligência e ao um padrão emocional condizente, o que não quer dizer totalmente equilibrado, mas sim equânime feito de fúria ou de paixão, os meio termos normais não vão longe nunca, mas estes são apenas princípios, porem é preciso levar em conta o “elemento misterioso”, alguns chamam tal elemento de merecimento, outros de ato divino,ou sorte, casualidade e outros tantos nomes(quando tudo dá certo...) que o momento sempre cunha, é preciso entende-lo. Ainda conversava com grande amigo meu a respeito disso, onde concluímos que não bastam também ser-se uma pessoa impoluta, virtuosa e com sentimentos sofisticados, isso em nada o protege das agruras, das dores e todas as merdas que ocorrem na vida, o que mais ou menos pode te deixar em uma posição relativamente saudável, é se fores inteligente e souber como aplicar a emoção, no que aplicar a emoção!
Uma coisa eu digo, não banque o santo para parecer angelical aos olhos do mundo, seja autentico e para isso as vezes é precioso sacrificar algo, confesso que gostaria de poder olhar os mundo e as pessoas com olhos repletos de esperança de algo bom talvez nos aguarde no futuro(não sou pessimista, meus pés estão encravados na terra e meus olhos fitos no infinito...), mas pelo andar da carruagem torna-se difícil ter tal inebriante visão não é mesmo? Lembrei-me também de antiga historia pessoal, junte-se pessoas boas, repleta de boas intenções e relativamente esclarecidas para tentarem fazer digamos, coisas boas para os outros, isso é o paraíso não?
Bem, não é bem assim, tive oportunidade de vivenciar tal situação, creio mesmo que quando tudo estão tão limpo e bom surge Judas, ou o elemental humano do mais primário das nossas estreitas emoções, então aparecem inveja, ciúmes, vaidades e orgulhos esses são os iniciais, velhos companheiros e inimigos de tudo que é bom. Esses não são elementos estranhos, alias são bem familiares!
Ai descobre-se que não existe receita “correta” para que tudo de certo em tua vida, não existe fórmula bem acabada e cuja a ressonância soe serena e sobretudo, sempre e absolutamente sempre de certo,não é assim, existem estranhos elementos que desconhecemos e a vida humana e qualquer vida não é uma linha reta, até pode ser uma linha, mas por vezes torta, enredada, torcida, suja, limpa e os cambau.
Não basta por-se a alma e o melhor de ti, é preciso mais, também será preciso o pior de ti, não espero que entendam, mas sei que este contexto não vos parecerá estranho, afinal quem não teve seu momento Judas?Atire a primeira pedra.



Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.






Onde a Dor Não Tem Razão


Tereza Cristina
Composição: (Paulinho da Viola - Elton Medeiros)


Canto
Pra dizer que no meu coração
Já não mais se agitam as ondas de uma paixão
Ele não é mais abrigo de amores perdidos
É um lago mais tranqüilo
Onde a dor não tem razão
Nele a semente de um novo amor nasceu
Livre de todo rancor, em flor se abriu
Venho reabrir as janelas da vida
E cantar como jamais cantei
Esta felicidade ainda


Quem esperou, como eu, por um novo carinho
E viveu tão sozinho
Tem que agradecer
Quando consegue do peito tirar um espinho
É que a velha esperança
Já não pode morrer

A renovação, é preciso se reinventar sempre e todos os dias,ser um e muitos e sobretudo aberto ao que a vida nos propõe, verter de sí, da imaginação e daquilo que temos de bom em nosso coração,pela felicidade existencial tudo sempre se renova, como se existencia brincasse de primavera e de-repente tudo em nossa vida pode florecer,oportunize-se.

quarta-feira, agosto 20, 2008


Das Lágrimas, da chuva

Hoje chove novamente depois de muitos dias ainda, molha abundante tudo e nossas vidas encharcadas
Nunca fui muito de me importar com o tempo, aprendi nas intempéries da vida que emoção e pensamentos tem estações passageiras, chuva ligeira da alma, hora a secura da dilapidação e hora abastança sem limites, sem proporção, e que ter este sutil equilíbrio é tão difícil pela nossa dureza de ser, algumas vezes em não aceitar tais estações, creio que tal qual como cigarras queremos cantarolar eternamente ao sol, mas o tempo muda, tudo muda felizmente, pois a vida procura sempre seu equilíbrio só.
Hoje choveu e chove...tolos se revoltam e maldizem ao céu e escarnecem a terra,reclamam de reclamar, coisas de tolos, pensava ainda, possivelmente sapos agradeçam a benesse que o céu os concede pelas suas preces atendidas, sempre assim, existe uma impossibilidade vital de agradar a todos, como vocês eu também adoro o sol, mas a chuva também não me faz mal, adultos inflexíveis esqueceram da criança que divertia-se com pingos do céu,gargalhava enquanto ficava encharcada...eu sei, não existe mais tempo para isso...como para muitas coisas, não sabemos mais brincar...eu ainda tento,rir de mim mesmo enquanto emulo alguma coisa qualquer...
Perda da inocência.
Qual a estação do teu coração?
Para uns a eterna frieza que também caustica como o calor, outros estão nas suaves perfeitas para semaduras e para ver tudo em flor, sim amigo meu, para além de todas chuvas existe o teu ser, teu estado, pois se existe sol para alem da fronteira dos teus olhos, tal sol deve estar também em ti, sem eclipses, sem nuvens na certeza de teu caminho e daqueles que contigo estão, talvez busquem o sol, pelas sua reclamações...
Confesso que não gosto de chuvas em abundancia, mas nem por isso deixo de entrar em harmonia com o ambiente me felicito em estar, pois se á sol em ti o que te pode obnubilar?
Me solidarizo as rãs, que em festa gozam da tolice humana, enquanto se fartam, costumo dizer aos que se acercam que é preciso flexionar e manter-se integro.
Quando tudo mais deixa a desejar, faça um poema sobre desejos..

Paz e luz em teu caminho.
Fabiano.



"Fui iniciado por uma empregadinha doméstica. Tinha o mesmo nome de minha mãe: Irene.
Freud explica."


Paulo Francis

terça-feira, agosto 19, 2008


Predador de silêncios

Em tudo que fala cala fundo na alma, minha e hora tua.
Buscador de silêncios eu sou.
Quero ouvir o que não é dito e dificilmente entendido, não quero vozes simples em canto de modorra desafinada, quero o que é relegado, deixado mesmo, esquecido por torpes e incautos ouvidos.
Minha espreita, de passo recluso lento deixo-me apenas fitar, fitar-te, talvez na ânsia profunda de pegar...agarrar...tirar o que nutre,fazer de ti minha sublime vitima da paz que nos une.
Também não quero sussurros falsos e emulação de silêncios, tive e tenho meus fingimentos, como predador é preciso camuflar-se, ocultar-se, tática que nos mantém íntegros e plenos em força e coração.
Depois de toda a algaravia barulhenta e distorcida, tenho sede, meus ouvidos anseiam por não ouvir, e meu coração se satisfaz com o som do seu próprio bater, minhas mãos querem apenas riscar o éter como vôo do Peregrino que rasga os espaços.
Nunca fui de discussões inúteis, tempo morto e perdido desgaste de restos que não levam a lugar algum,não há o que discutir, quando se tem maduros pensamentos e algum entendimento, se foca no que ilumina, e não perde em meandros.
Posso dizer que hoje escuto muito pouco,prefiro o impronunciável, o teu segredo e quem não os tem?
O tempo aprimora as vezes, antes gostava de me ouvir falar, e falava e falo aquilo que não tem importância alguma, o que passa a margem decrépita da vida, o que ouvidos não cansam de ouvir, sou apenas um despretensioso e desimportante Tigre solitário, ouvidor de silêncios, o firo por minhas básicas necessidades, simplesmente viver.
Mas como planta ainda tenra e tremula, o ensurdecedor barulho já me satisfez, tudo o que dissonoro fosse, berros estridentes, vozes intermináveis que falam, argumentam, defendem, acusam e depois esquecimento...silencio, calam-se.
Aprendi com algumas pardas experiências, que muito do que é dito simplesmente é falso, fixado em condicionamentos, “respeitando” os parcos limites que o padrão impõe,é certo, correto, bonito, limpo e polido demais, asco de tanto barulho.
Pois quem desconhece-se, que pode dizer de concreto?
Como criança que balbucia na aspiração de palavras mais nítidas, assim é a grande maioria de nós, quem ouve apena as palavras, se esquece dos silêncios.
Mas quem quer ouvir meus silêncios?
E ao fundo nada mais..nada mais, apenas quietude.

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.


Bem, infelizmente começou o horário político OBRIGATÓRIO(democrático...) gratuíto, assim sendo como não existe possibilidade de levar a sério nenhum deles, fico buscando uma inspiração nas profundezas, quedo-me ante Eça de Queiroz.

«Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.»

segunda-feira, agosto 18, 2008


Caçador de Mim
Sá e Guarabira
Composição: Sérgio Magrão / Luiz Carlos de Sá


Por tanto amor, por tanta emoção
A vida me fez assim
Doce ou atroz, manso ou feroz
Eu caçador de mim
Preso a canções, entregue a paixões
Que nunca tiveram fim
Vou me encontrar longe do meu lugar
Eu caçador de mim
Nada a temer senão o correr da luta
Nada a fazer senão esquecer o medo
Abrir o peito a força numa procura
Fugir às armadilhas da mata escura
Longe se vai sonhando demais
Mas onde se chega assim
Vou descobrir o que me faz sentir
Eu caçador de mim.

É a busca de sempre,embora as movimentações da vida nos façam crer que ela ocorre de forma objetiva, a verdade perene é tudo acontece em ti, no mais profundo de ti,teu coração, tua alma,lugar onde ofertas hora teu sacrificio e outros instantes a tua dor, a tua lagrima e por vezes tua ferocidade, onde és meio demonio e meio anjo, predador e presa,caçador de sí.

1-Sá e Guarabira

2-Sá,Rodriges e Guarabira - Belo trio.


Da coleção cafajeste alado...

Cheiro de Lábios, aromas de mulheres

Assuntos masculinos em porta de boteco não tem digamos nenhum trato ou refino intelectual, creio que assim que deve ser, nos sentimos a vontade em neste meio,falamos grotescamente do que gostamos tudo fica por ai mesmo, tive tantos destes papos que perdi a conta, claro salvo minha memória que permite fazer longas conversas comigo mesmo(um breve sintoma de minha neurose natural...)e termino por lembrar-me em uma conversa que tive com meu então amigo Cláucio, amigos que se vão com o tempo, não, ele não morreu apenas foi para outro estado, o tempo “ajunta” e o tempo separa.
Afirmava ele do alto de sua sabedoria de entendimento feminino que, gostava da noite, das mulheres, da bebida e de toda a curtição, orgias sem fim, que fazia de acordar em uma cama que você desconhece,com alguém que você sabe menos ainda, concordei com ele pois na época era a vida que todos levávamos,então ele já meio embriagado disparou a pérola das pérolas, a autentica pérola negra, rio meio sem graça e disse:
-Fabiano, tudo bem, comer estas vagabundas por ai, é massa é por ai mesmo, mas uma coisa eu te digo cara, se ela não estiver cheirosinha, perfumadinha, cara eu não chupo!! Não chupo mesmo!!Não chupo, não chupo, não chupo.
Cláucio parecia um disco arranhado, nosso grupo começou a gargalhar muito, estrondosamente,não tinha o que fazer, Cláucio pisou na bola em meio a uma turba impura e agora pagava as conseqüências.Tomei as dores dentro de meu cinismo habitual, em rir daquilo não tem graça, e chorar diante de alguma palhaçada, e embora tudo já estivesse meio nublado pelos efeitos etílicos, olhei para ele com ar totalmente indignado e disse:
-Bah Cláucio deve fazer muito tempo que não fazes isso, vamos imaginar hipoteticamente, a não ser que a moça,mulher,virgem, dama ou senhora ande com um frasco de desodorante vaginal, ou lave-se a cada vez que fizer xixi, isso já é quase impossível,se depois de uma noite de festa, bebidas e muitas e muitas mijadas, ela ainda estiver perfumadinha como saiu do banho, irei perguntar para ela quais são os números da mega-sena acumulada, porque ela só pode ser mágica!!Houdini, Coperfield ou qualquer um desses!!!
Cláucio é impossível isso cara, além do mais, buceta não tem cheiro de rosas, cheiro de sabonete intimo mentolado, cara, buceta não tem aroma de flores ou mesmo lembra leite de rosas, é cheiro maravilhoso natural, cheiro de mulher, se não gostas de cheiro de mulher meu camarada é porque você não sabe curtir uma mulher literalmente, te digo gratuitamente, é preciso saborear uma mulher,inteira, sorver cada cantinho dela, curtir seus aromas diversos, seus gostos diversos e naturais, não estou falando de falta de higiene, mas de aroma maravilhoso pelo que é e como é, sem maquiagens.
Além do mais Cláucio, te digo, se tu não colocar o teu narizinho lá, tua lingüinha lá, não é por nada não,tu ta devendo...e quando se esta devendo, alguém pode pagar a conta...!!
Risadas e mais risadas...
O assunto se perdeu e em outras tantas besteiras que a masculinidade faz questão de exercitar como orangotangos em um caverna, urrando, gritando e se entorpecendo lentamente, Cláucio nunca mais me disse algo parecido, não sei de ele mudou de idéia ou virou veado a escolha pessoal...eu respeito.
Desde muito cedo aprendi com o velho, que se trata uma mulher da melhor forma possível,dentro dos recursos que tem,que é preciso “cativar”sua personalidade, o tempo foi gentil comigo ou talvez minha inteligência tenha ajudado, comungo com o adágio que traça um elo de ligação das mulheres com as flores, cada coisa com seu contexto, existem flores espinhosas e péssimos jardineiros.Mas o exemplo é belo, é preciso faze-la se abrir em flor doce e delicadamente,e para tanto é preciso sutilezas, o olhar tranqüilo e com desejo secreto, quanto mais secreto mais intenso e verdadeiro, conversas serenas e longas sem fim,até um partilhar da energia alheia,a aproximação como um vento noturno a acaricia, por fim suavemente beijar suas pétalas com desejo voraz como um toque de uma musica que se inicia, fazê-la despertar,não pelos carinhos do corpo, mas pelo tocar da alma, mas para isso tudo é preciso tempo,não quero poetizar demasiadamente tão aproximação, mas é inexpacável, tal como as estações do ano se tornam propícias a plantio e colheita, existem estações em que estamos também dispostos a receber sementes, de tranqüilidade e paz.
É preciso desejo e despretensão e calma, como uma longa viagem onde o importante é apreciar a viagem, a chegada é na sua chegada, ao seu tempo.
Tenho disso as vezes em minha misteriosa alma, em meio o que encerra grosseria, minha mente, escapa a procura de um porto seguro para si morada de tranqüilas coisas, belas imagens e toques de sonhos.

Paz e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

Em uma babilonia de ostentação minha auto pérola:

"Num local onde muitas pessoas são credores de sí mesmo,
não é interessante ser um cobrador."

Luis Fabiano.

sexta-feira, agosto 15, 2008



Fake Plastic Trees (tradução)
Radiohead
Composição: By Radiohead


Fake Plastic Trees (Árvores de Plástico)



Seu regador verde de plástico
para sua imitação chinesa de planta feita de borracha
na terra artificial de plástico
que ela comprou de um homem de borracha
em uma cidade cheia de planos de borracha
para se livrar de si mesma

Isto a desgasta
Ela mora com um homem quebrado
um homem de polistireno rachado que só se esfarela e se queima
Ele costumava fazer cirurgia para garotas nos anos oitenta
mas a gravidade sempre vence

(E) Isto o desgasta
Desgasta

Ela parece verdadeira
Ela tem sabor verdadeiro
Meu amor artificial de plástico
Mas não posso evitar o sentimento
Eu poderia explodir através do teto se eu simplesmente me virar e correr

E Isto me desgasta
Se eu pudesse ser quem você queria
o tempo todo.

Radiohead é depressivo mas eu o respeito, eles cantam o vazio dos dias atuais, cantam a poesia da indiferença de uma maneira muito pujante se aproxima de todos,canta os espaços que temos mantemos para nos proteger, para não nos ferir ainda que fira, a voz arrastada da um tom de agonia e ao final converter-se em um carinho suave como uma tentativa de redenção de si mesmo, de nós...
Poesia sem molduras brilhantes.
Paz em teu caminho.
Fabiano.
Acustico:
http://www.youtube.com/watch?v=w1GQIrl4QaE

e ao vivo:
http://www.youtube.com/watch?v=MsMmJjWe0hM&feature=related


Briga de corpos, branduras da alma

Um universo de estreito tamanho, de passo a passo eu vi, os ví
Estavam ali os dois,não se olhavam, não se viam,não se...nada
Eu ia indiferente em meus cativos pensamentos passar, mas não pude, laços de suas dores me capturaram, embora não em agonia partilhei por breve instante o que lhes ardia na consciência, dor sem dor.
Brigavam era certo.
Não havia espaço para poesia e nem as delicadas manifestações advindas de uma compreensão mais profunda, quase nunca há espaço para isso mesmo nas mais sublimes relações...levados pelo roldão de ferventes emoções...quando se vê..já foi...apenas estrondos e dissonoros sons lancinantes.
Parei ao longe, emulando a vida como a querer fingir que vivia das indiferenças frugais, como indiferentes flores plásticas que o tempo não fere,não faz brilhar...apático fiquei e menti.
Notei a dança de corpos em desalinho e almas embrutecidas,e a altercada voz como rangido que arranha, fere machuca sim, apenas a musica estridente das acusações, cobranças e o mar de inseguranças de toda sorte, ambos tentando agarrar-se, ancorar-se em si, mas as vezes a nossa nau fica ao sabor dos ventos mais fortes, ventos feitos de incompreensão, impaciência e ignorância abismal.
Balé estranho, ele tentava agarrar os braços dela, na tentativa de explicar o que nestes momentos sempre é inexplicável, incompreensível e as vezes inimaginável, abuso de ficção...extrapolar de nosso sentir.
Ela tristíssima, pássaro que queria voar para longe dali, talvez buscar seus silêncios, refazer-se de pedaços perdidos, feridos, machucados mesmo, movia a cabeça em fuga, não queria beijos, não queria abraços, não queria palavras...queria ganhar os espaços e respirar,quem sabe dormir para esquecer-se.
Ali ficaram por breves instantes que pareciam eternidades, momentos em que o tempo se dobra pela envergadura do peso que carrega sob suas costas, nossas costas. Em silencio estava eu como expectador de situações que por vezes estão muito acima de nós mortais simples a busca de um pequeno acerto que de paz, felicidade, amor...em mim queria que eles achassem uma ponte para suas emoções, eu queria...não me importa quem errou,porque errou, como errou o que pensava era, haveria conserto? Encontrariam o porto seguro para alem de suas âncoras?
Não tomo dores do acusado, ou a pseudo-justiça do acusador,pondero, por vezes somos sobejantes em acusar, ferir trucidar emoções, mas será que nunca, jamais erramos? Somos pináculos em seda branca de perfeição e justiça para com tudo e todas as coisa? As vezes erramos, mas nada vale a pena de conservar-se?Nada? Não sei.
Terminaram seu esdrúxulo bailado, ganhando a fuga em desespero, ela se foi semeando o solo com suas lágrimas, suas dores, sua decepção...amarga, atrás ele parado como um lutador exausto respirava forte buscando...buscando ânimo, com os olhos ele a buscava, mas ave ferida queria o espaço, voar sobre as nuvens de algodão,separar-se do pesadelo de sombrios momentos.
Tudo ficou silencioso novamente.
Tomei meu caminho e pensava, o entendimento sereno só é conquistado quando nos percebemos essencialmente,e de tanto caminhar nas duras estradas do existir, ferir-se eventualmente , tropeçar e apesar de tudo sempre reerguer-se, este é o legado verdade, reerguer-se.

Paz profunda e luz em teu caminho.
Luis Fabiano.

“...dólares são um bom sedativo.Me fez café e disse:
-Ah, é muito difícil ficar famoso em Nova York. É melhor ganhar algum dinheiro e se divertir, certo?
-Não sei.Nunca tentei ser famoso em Nova York.
-Ah,não me responda assim.Ainda esta ressentido?
-Nunca fiquei ressentido.Só fiquei muito triste.
-Bom,não se fala mais nisso
.-Tá bom.Entrei um momento só pra dizer um alô e ver como você vai.
-Não perca mais peso. Você está magro demais.Por que?
- Estou estudando balé!!
-Ah, você é um chato.
-Bom,tchau.
Eu fui embora. Ela não imagina que deixou uma esteira de poemas tristíssimos e um rastro de dor e lagrimas.Como nos boleros.Não sabe.E não vai saber nunca, porque não vou lhe dar esse gosto.
Agora está chovendo muito. E há rajadas de vento.Não gosto de dias assim.Me dão ainda mais fome.”

Pedro Juan Gutierrez