Pesquisar este blog

segunda-feira, fevereiro 23, 2015

Abençoada fumaça e poluição



Abençoada fumaça e poluição

Creio que não suportaria um mundo limpo
Feito de pureza
Ordem plena
Eu não suporto nem pessoas assim
Curto esperanças tortas de algodão
Num espaço deformado de viver

Gosto do gosto imundo e do sebo
Depressões ruindo em noites sem fim
Noite engolindo com dentes ferozes
Venero a imundície que existe em ti
E em mim

Beleza fissurada dos teus piores defeitos
Como intenções mais límpidas falsificadas
Pra ti mesmo
Que não dizem nada
Que não fazem nada
Nem gritam quando o pior cavalga em teu destino
Gosto da tua poluição
Você não?

Dejetos de amor
Brisa de asfixia
Tua fumaça que afoga deixando resíduos enferrujados na alma
Tuas palavras não ditas
Minhas palavras tecidas de reticencias
E as malditas

Gosto da beleza das chaminés transformando o ar respirável
Fuligem de encanto escurecendo as estrelas
Em doenças silenciosas
Como vermes calados rastejando dentro de ti e de mim
Gosto do desenho que o cinza diluído faz no céu

Mesmo neste trágico
Existe paz e alguma harmonia translucida
Venero a sujeira que trazes em ti
Como semente mais verdadeira de tua essência

Pouco me diz o depois
Quando despidos das fragilidades
Aceitas o caos benigno
Nas caricias dos teus acertos
Mas de nada servirá
Se não achares o meio dia
Da tua fuligem


Luís Fabiano


Navalhadas Curtas – Sem Deus mas com cerveja!



Navalhadas Curtas – Sem Deus mas com cerveja!

O bar está aberto, estou sentado como um vagabundo entre outros vagabundos.Cigarros e bebidas, todos parecem ótimos, bêbados e maravilhosos...o mundo viciante é uma aberração fantástica.É bom estar entre os piores, que são os melhores.

Nico um brother de bar...está barulhento, ruidoso, tomando cachaça pura e então vem pra minha volta... os bêbados sempre vem para minha volta:

-Fabiano...Fabianoooooo
-Fala Nico...
-Cara...graças a Deus estamos aqui né cara? Aqui né cara? Né cara? Cara...Deus é bom..
-Que porra é essa Nico?
-É Deus cara...ele ta aqui...
-Que besteira Nico...Deus ta aqui no bar agora então?
-Caraaaaaa não fala de Deus assim...
-Claro que falo...ele fode com quem acredita nele...quem não dá bola pra deus e vive nem percebe nada...
-Cara, e quanto tu tem um problema cara...tu não reza?
-Não rezo, não peço, não imploro... eu tento resolver a merda do problema com gente feita de carne e osso... e se não der pra resolver, foda-se deixa rolar...
-Caraaaaaa mas não é assim...
-Seguinte, vai te fude... para de falar de deus... quer tomar uma gelada?
-Claro...


Luís Fabiano.



domingo, fevereiro 22, 2015

Me bate, porque eu gosto



Me bate, porque eu gosto

Parte 1

Uma porrada sempre vai ser uma porrada...o que torna tudo diferente é a intenção. Umas demonstram ódio outras amor...e ai qual você escolhe?
Tenho levado uma vida tranquila, quase sempre nos dias de hoje... mas ainda sou um ser construído pelo contraditório, pelo que derroga os padrões. Mas quando você vive assim é preciso se preparar para se fuder muito, ou fazer isso de forma que tudo trabalhe pra ti. Prefiro a segunda, não to afim de passar trabalho. Reservo dentro de mim um recanto animalesco, guardado a sete chaves, mas que por eventualidade eu deixo sair...é bom dar o que comer para o teu animal interior, e depois ele saciado, eu volto a normalidade social, polida e estética pretendida por tudo mundo. Fácil assim.

Foi assim até uma noite destas.
Cheguei em casa não tão cedo, havia passado pouco da meia noite, abro a janela do Ap, fico olhando a noite visceral e sua garganta cheia de estrelas magnificas, como pequenos olhos dos anjos ou demônios me convidando para tudo...para o mal, para o bem, para o trágico, para o prazer e para loucura toda que guardo dentro de mim. Noite filho da puta brilhando maravilhosa, como uma lamina pronta para o ato final. Estou com a janela aberta, uma brisa sopra e uma coceira filho da puta está mim. O bom moço precisava de um tempo, para que o canalha sorria, beba, foda e de o foda-se a vida. Este é um cara que com toda certeza não irias gostar de trocar uma ideia.

Olho meu celular apagado, nenhum brilho, nenhuma puta, nenhuma cadela perdida numa nesta noite. Era preciso evocar a o demônio então. Deixo a janela aberta e vou até a cozinha pego a garrafa de rum do balcão...e ainda tem a metade dourada, pego o copo duas pedras de gelo...sirvo o mijo do diabo. O cheiro invade o ambiente...rum e seu perfume maravilhoso.

Tomo um gole a cedo...e foi como sempre, o fogo desce acordando as veias do marasmo. Beba, beba, beba e de um foda-se ao que vier depois. Copo na mão e como magia as estrelas agora estão mais que fantásticas, são riscos que entoam uma cantiga... as pessoas circulando na rua são liquido deslizando em sombrios vãos...nem carros com faróis e as mulheres bebendo no posto frente ao Ap... são todas fantásticas, pouco importando o que carregam com si, com todos os seus defeitos, suas magoas e depressões afogadas em bebida. Eu brindo a distância com elas...o copo vai ficando vazio e eu melhor. Rum é o elixir dos cães. Estou pronto para sair... Vou no banheiro dou uma boa mijada e mexo um pouco no pau...ele fica meio duro, está sensível e me sinto um porco querendo trepar, um cavalo, um touro...procurando a sua parceira...sacudo o pau, pego a chave do olhos de gato e vou para o estacionamento.

Subo no carro, ligo o rádio e a música que toca é Luiz Miguel-
¨Voy a apagar la luz para pensar en ti,
Y así dejar volar a mi imaginación
Que importa vivir de ilusiones si así soy feliz¨ Contigo Aprendi - uma balada romântica para um caçador, é como uma cantiga de ninar cantada para um estuprador adormecer. Dou a partida, a rua está tranquila, quase vazia, gosto das pessoas vagando por ai... estão a procura de algo também, o que será?
Me sinto em paz e com as veias em chamas. O olhos de gato vai circulando devagarinho...pela Bento, carros desmaiado embaçados com gente fudendo dentro, a droga ao ar livre entupindo narinas nada santas, bêbados e mendigos deitados debaixo do campo do Pelotas, noite maravilhosa onde os mestres estão a solta, como um trem alado fora dos trilhos. Gosto de ver tudo isso...é a poluição da noite entrando em ti, eu amo a poluição, precisamos da poluição e ser sábio é conviver com essa porra toda e não enlouquecer. Eu vejo música harmônica e beleza nas pessoas poluição, nas ruas poluição, nos bares poluição, como não amar isso? Se somos feitos disso. Não é fantástico? Que limpeza que nada, que santidade porra nenhuma...geramos tanto lixo...porque não somos muito diferentes dele...


Segue...

Luís Fabiano.


sexta-feira, fevereiro 20, 2015

Cus dos Santos



Cus dos Santos

Nem tudo se resume a merda
E descaso...
Esquecimento
Não
Não tão fácil

Dois cus santos se encontram no horizonte
Mais querer escrito em desejos voláteis
Animais encantados de selvageria
Como sonhos refeitos de prazer a esmo...
Dois cus santos se beijam
A merda é seu amor
Sua dor
Suor

No cheiro maravilhoso que a vida pode nos abraçar...
Se esfregam
Se calam
Se comem
Se cospem
Entre encantos forjados no canto dos ralos que ecoam
Dois cus santos cagam amor

Que vão se perdendo
Se rompendo embriagando-se de caos
Como o amor dos impuros
Vestidos de pecados
Com asas rastejantes e chapadas
Então pra que?

Santidade manchada de verniz
Perdida em janelas que passam
Nos triunfantes declinados
Infâmias carinhosas
Fissurando a decência
E dois cus
Não são mais santos.


Luís Fabiano.


domingo, fevereiro 15, 2015

Animais raros:Putas



Animais raros:Putas

Sempre gostei de putas
Não entendam mal...
Ou entendam...
Minha primeira mulher foi uma puta
Não falo de sexo por dinheiro barato
Falo de putas de alma
De fuder mesmo...

Mulheres que fodem como se fosse a última coisa que fizessem na vida
Mulheres que não tem medo do ousado
Que gozam até a última gota...
Putas de verdade são muito raras hoje
Elas se escondem em pensamentos proibidos do submundo
Deslizam para o abismo lubrificado sem medo
Não tem medo de experimentar nada
Foda-se a “moral”
Enfiam a culpa implícita de seus desejos devassos no cu...

Putas são uma espécime rara hoje...
A maioria das mulheres se contenta um prazer micro
Um orgasmo, uma gozada clitoriana e um raro gozo vaginal...
Você sabe o que é isso?

Mas não puta não é assim...
A puta está cagando para pequenos orgasmos...
Ela quer ser massageada no ponto G
Até jorrar prazer....
Até morrer e
Jorrar o mijo
Jorrar o muco
Entre gemidos viscerais fazendo deus se cagar de medo...
E o diabo sorrir no inferno

Sempre gostei das putas
Casei com algumas...
Mas sei é um animal em extinção
Juntamente com outras espécies que terminam, nos conformismo básicos do dia a dia
E você e estas pessoas todas ficam assim...
Sorrindo diante do trivial, achando que é o máximo?

Fique tranquilo, você não precisa entender isso
Sorria para o mundo perfeito
E esqueça a seleção natural que é para poucos que esqueceram os medos...
Mas quando estiveres fudendo
Lembre-se: o Fabiano sabe que isso é muito pouco.



Luís Fabiano.



terça-feira, fevereiro 03, 2015

Navalhada Curtas – Calcinha







Navalhada Curtas – Calcinha


Tudo começou, e agora começa pela manhã. Trabalho é sempre bem-vindo...mas acordar cedo é foda...e vai continuar sendo foda pro resto da vida. Mas nem tudo está perdido. Depois de um café forte estou a mil, e foda a existência seja o que for eu passo por cima.

Vou pegar o carro, to tranquilo e então saio para o estacionamento  e olho pra cima porque umas gotinhas de agua caíram sobre mim. Então vejo ela.
A vizinha do terceiro andar está pendurando suas micro calcinhas no varal... lindas. Adoro calcinhas. Uma vermelhinha, outra branquinha quase transparente e uma pretinha com detalhes em oncinha.

Parei olhando para ela e as calcinha, meio sorrindo, gotas da calcinha molhada caiam suaves sobre mim:

-To te molhando ai vizinho?

Sorri.

-Sim...tá, mas tu podes me molhar a vontade...

Ficamos nos olhando...e segui:

-Fiquei de imaginando vestindo uma destas ai...

Ela sorri safada e diz:

-Percebi...podes ficar imaginando então vizinho.

Ela coloca a última na corda e entra. Tive uma breve ereção e pensei: foda-se...em algum lugar do imaginário nos fodemos e gozamos agora. Às vezes tudo que se precisa é um instante.



Luís Fabiano.